Resenha: Para educar crianças feministas

Título Original: Dear Ijeawele, or A Feminist Manifesto in Fifteen Suggestions 
Autor: Chimamanda N. Adichie
Editora: Companhia das Letras | Ano: 2017 | Páginas: 96



Após o enorme sucesso de Sejamos todos feministas, Chimamanda Ngozi Adichie retoma o tema da igualdade de gêneros neste manifesto com quinze sugestões de como criar filhos dentro de uma perspectiva feminista.Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, Para educar crianças feministas traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, o que se inicia pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido igualmente por homens e mulheres, pais de meninas e meninos.Partindo de sua experiência pessoal para mostrar o longo caminho que ainda temos a percorrer, Adichie oferece uma leitura essencial para quem deseja preparar seus filhos para o mundo contemporâneo e contribuir para uma sociedade mais justa





Olá, maravilhosos.

Tudo bem? Espero muito que sim!


Deixe-me contar uma história para vocês:



Há cinco anos, Chimamanda respondeu em uma carta, a pedido de uma amiga que acabara de se tornar mãe de uma menina, dicas práticas e sinceras para educar crianças feministas.


Ela, agora mãe de menina, retoma essas dicas e, adaptando a carta antes escrita à amiga, transforma-a em um manifesto com as suas 15 sugestões. Para ela, é moralmente urgente ter conversas honestas sobre outras maneiras de criar os filhos, na tentativa de preparar um mundo mais justo para mulheres e homens."


Atenção mamães (e papais), aqui estão as ideias de Chimamanda:


  • Seja uma pessoa completa. A maternidade sozinha não define ser uma mulher.

  • A educação é obrigação da mãe e do pai juntos. Ela não é “mãe-solo” e ele não “ajuda” a criar a filha;

  •  Papeis de gênero são absurdos: “Porque você é menina’ nunca é razão para nada. Jamais”
Lembro que me diziam quando era criança para “varrer direito, como uma menina”. O que significava que varrer tinha a ver com ser mulher. Eu preferiria que tivessem dito apenas para “varrer direito, pois assim vai limpar melhor o chão”. E preferiria que tivessem dito a mesma coisa para os meus irmãos."
  • ► Cuidado com o Feminismo Leve, igualdade condicional. “ele é a cabeça e você é o pescoço”;
Mais preocupante ainda é a ideia, no Feminismo Leve, de que os homens são naturalmente superiores, mas devem “tratar bem as mulheres”. Não, não e não. A base para o bem-estar de uma mulher não pode se resumir à condescendência masculina"
  •  Ensine-a ler. Os livros vão ajudá-la a entender e questionar o mundo, ser quem ela quiser;

  •  Ensine-a a questionar a linguagem. Nela estão nossas crenças e preconceitos;

  •  Nunca fale do casamento como máxima aspiração e realização feminina;

  •  Ensine-a a não querer agradar, mas ser honesta em sua personalidade e consciente da igualdade humana;

  •  Dê a ela um senso de identidade: Orgulho de ser mulher e de suas raízes;

  •  Esteja atenta às atividades e aparência dela. Incentive-a a ser ativa e entender sua feminilidade.
“Feminismo e feminilidade não são mutuamente excludentes. É misógino sugerir o contrário. Infelizmente, há mulheres que aprenderam a se envergonhar e a se desculpar por interesses vistos como tradicionalmente femininos, como moda e maquiagem (...) está sempre consciente de como um batom chamativo ou uma roupa bem montada pode fazer com que os outros a vejam como frívola.
  • ► Ensine-a a questionar o uso seletivo da biologia como razão para normas sociais em nosso cultura, como os privilégios dos homens;

  • ► Converse com ela sobre sexo desde cedo. “Em todas as culturas do mundo, a sexualidade feminina diz respeito à vergonha”;
"As mulheres precisam andar “cobertas” para proteger os homens. Isso me parece profundamente desumanizante, porque reduz as mulheres a meros acessórios usados para administrar os apetites masculinos.
  • ► Romances vão acontecer. Converse e dê apoio;
o amor é ser grandemente valorizada por outro ser humano e dar grande valor a outro ser humano. Mas por que ensinamos apenas metade do mundo a dar esse valor?
  • ► Ao lhe ensinar sobre opressão e luta de gênero, cuidado em não converter os oprimidos em santos;

  • ► Ensine-lhe sobre a diferença. Assim, você a prepara para sobreviver de modo prático e humano num mundo diversificado.



Baseado em ideias e experiências da autora sobre gênero, educação igualitária e construção de uma sociedade mais justa, Vale a pena ser lido por homens e mulheres, pais de meninas e meninos! Amei

"Por favor, note que não estou sugerindo que você crie sua filha para “não julgar”, coisa que se diz muito hoje em dia e que me preocupa um pouco. O sentimento geral por trás da ideia é bom, mas “não julgar” pode facilmente significar “não ter opinião sobre coisa nenhuma” ou “eu guardo minhas opiniões para mim”. Assim, em vez disso, o que desejo a Chizalum é o seguinte: que ela seja cheia de opiniões, e que suas opiniões provenham de uma base bem informada, humana e de uma mente aberta"




Esse livro foi lido no mês de Novembro para o Desafio Literário Livreando como um Livro de até 100 páginas. Também caiu como uma luva para o mês da Consciência negra: Além de um autor negro, temos aqui uma expressiva Autora Negra! ♥♀




22 comentários:

  1. Oi, conheço o livro, de forma geral é muito bom, mas encontrei alguns problemas, que não sei ao certo se de tradução, que me fizeram repensar o uso dele e indicação. De qualquer forma, para quem entende bem o que é e as origens do achismo, é uma boa indicação.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Nunca li nada da autora, pois não costumo ler livros do gênero, mas parecem ser leituras super importantes e necessárias. Adorei a resenha e as dicas da autora!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Eu simplesmente amo a Chimamanda e estou mega curiosa para ler este livrinho. Da autora eu conheço apenas "Sejamos todas feministas", o qual adoro e usei em meu artigo de conclusão de curso. Espero poder ler em breve outros títulos dela ;)

    Ah, adorei a resenha. Beijoss

    ResponderExcluir
  4. Não sabia sobre esse livro e achei bem interessante, irei indicar para uma amiga que ama esse tema para leitura, espero que ela goste assim como você.

    Abç.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Karol.
    Muito bacana a sua resenha.
    Não é o tipo de livro que eu me animo a ler, mas gostei das frases que você destacou. Dá para ter uma boa ideia do que encontrar nessa leitura!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  6. Pelo que ouço dizerem Chimamanda é uma autora incrível. Infelizmente ainda não tive oportunidade de ler nenhuma de suas obras, mas estão na minha lista de desejados... Espero lê-los ainda no início desse ano.
    Laura Militão, blog Mais um Capítulo

    ResponderExcluir
  7. Olá...
    Adorei sua resenha!
    Fiquei com muita vontade de ler esse livro, os fatores que compõe o enredo parece tornar a leitura sublime... Gostei bastante de seus comentários!
    Dica anotada!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi Karol.

    Eu ainda não tive a chance de conhecer o trabalho literário da Chimamanda, mas pela sua resenha é um livro maravilhoso. Já anotei sua dica valiosa.

    Bjos

    ResponderExcluir
  9. Chimamanda é muito deusa!! Eu amo esse livrinho dela, a forma como ela fala é tão didática e ao mesmo tempo te da um tapa na cara, te ensina de verdade. Agora preciso ler seus romances.

    Silviane, blog Memento Mori• Siga no Instagram: @kzmirobooks

    ResponderExcluir
  10. Oi Karol,
    ainda não li nada da Chimamanda, mas sei que ela é uma autora fantástica, indo além disso ela é uma militante muito forte na area do feminismo e racismo, a melhor parte é que a maioria das obras dela são bem diretas e didáticas né? Os livros são sempre bem curtos da para ler rapidinho.

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  11. Que livro intenso! Acredito que são dicas que vão ajudar no crescimento. Ainda não conhecia, mas já ouvi inúmeros elogios para a autora. Espero ter a oportunidade de ler em breve.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  12. Olá

    Eu li esse livro há anos atrás e gosto muito do trabalho da autora mesmo com alguns problemas em suas pontuações. Quero ler alguns outros títulos dela.

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Foi uma das melhores leituras que eu fiz <3
    Quero ler mais obras da autora esse ano.

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  14. Olá, Karol!

    Pelas resenhas e publicações que já li, dizem que a autora Chimamanda é uma autora espetacular. Infelizmente eu ainda não li nada da autora, mas pretendo ler em algum momento e ver o quanto ela é boa na escrita e também em conteúdo. Parabéns pela resenha, ficou excelente.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Oi, Karol!
    Eu tenho dois livros da autora, mas ainda não li. Tenho mesmo uma mania muito feia de acumular leituras e acabo perdendo a oportunidade de ler ótimos livros nesse esquema. Acho que inclusive tenho esse livro. Gostei das citações, vou tentar colocar na frente de outras leituras.
    bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  16. Oi Karol!
    Não conhecia essa autora, achei interessante e muito instrutivo esse livro apesar de ser descrito em poucas páginas. Estamos numa época que mulheres tem voz, mas são poucas ouvidas e a maioria se cala por submissão (aprendemos desde pequena que a palavra do homem é lei), sim temos controversas mas a maioria das vezes somos consumidas sem voto. Parabéns pela resenha fiquei curiosa em saber mais sobre o livro, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir
  17. Oi, pelo seu post, gostei muito do que a autora propõe com essa obra. É muito importante pensarmos em como estamos educando nossas crianças e em como isso pode afetar a sociedade que teremos futuramente.

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas quero muito. Já li Sejamos todos feministas, também da Chimamanda, e foi uma leitura sensacional. Acredito que o livro traz considerações muito válidas, sendo um livro importante para pais e mãe lerem e refletirem sobre a educação dos filhos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Eu amo a escrita da Chimamanda e esse livro é daqueles que emocionam, para mim é o tipo de livro que todos deveriam ler.

    ResponderExcluir
  20. Oi Karol, tudo bem?
    Esse e o "Sejamos todos feministas" são livros essenciais para quem quer pelo menos ter uma ideia de como construir um mundo mais justo e melhor criando pessoas melhores. Chimamanda sem dúvida merece o posto de grande escritora e sem dúvida quero ler outros livros dela.
    Um beijo de fogo e gelo da Lady Trotsky...
    http://www.osvampirosportenhos.com.br

    ResponderExcluir
  21. Adorei as considerações sobre a obra, eu já tinha visto o livro mais desconhecia seu conteúdo amei saber mais sobre o mesmo e já quero ler também!

    ResponderExcluir
  22. Olá, tudo bem? Não conhecia a obra mas fiquei bem curiosa com as suas considerações da mesma, estou inserindo a literatura feminista aos poucos na minha vida, acho super necessários lermos obras do gênero!
    Dica mais que anotada.

    ResponderExcluir



Topo