Cine Livrendo: Kardec

Título: Kardec | Direção: Wagner De Assis  |  Duração: 01h50min | Ano Lançamento: 16 de Maio de 2019 | Elenco: Leonardo Medeiros, Genézio de Barros, Charles Fricks e Sandra Corveloni 
Gênero: Biografia, Drama | Origem: Brasil 

Leonardo Medeiros é o protagonista Hyppolite Léon Denizard Rivail - reconhecido depois como Allan Kardec -, o educador francês nascido em 1804 que codificou o espiritismo a partir de 1857. A produção tem ainda no elenco nomes como Sandra Corveloni (Amélie-Gabrielle Boudet), Guilherme Piva (Didier), Genézio de Barros (Padre Boutin), Guida Vianna (Madame De Plainemaison), Julia Konrad (Ruth-Celine), Charles Fricks (Charles Baudin), Licurgo Espinola (Sr. Babinet), Letícia Braga (Julie), Júlia Svacinna (Caroline), Dalton Vigh (Sr. Dufaux) e Louise D’Tuani (Ermance Dufaux). O roteiro de Wagner de Assis e L.G. Bayão (“Irmã Dulce”, “Heleno” e “Minha Fama de Mau”) e Wagner de Assis acompanha a trajetória de Kardec desde o período em que atuava como educador, passando pela investigação dos fenômenos, pelo processo de codificação da doutrina espírita, até a publicação e repercussão de “O Livro dos Espíritos”. 
Impressões: 

Mais uma biografia sendo apresentado e sendo bem representado em nosso cinema nacional, dessa vez é retratando um período da vida de Allan Kardec. O longa é dirigido e escrito por Wagner De Assis, mostrando toda transformação do professor Hyppolite Léon Denizard Rivail, no mundial conhecido, Allan Kardec. 

Ambientado em 1857, o espectador vai acompanhar toda sua jornada como codificador da doutrina espírita e enfrentando diversos obstáculos em mostrar seus pontos de vistas e ideias. O preconceito era nítido naquela época. 

Léon Rivail é um professor muito dedicado, que deixou sua profissão por conta de interferência religiosa na grade curricular, traçando outros rumos em sua vida. O ponto alto da obra foi retratar de forma minuciosa toda Europa do século 18, costumes e vida social da época foram bem demarcadas no longa. 

Roteiro possui um toque didático, mostrando de forma lima o surgimento do espiritismo e sua evolução até os dias atuais. Allan Kardec sofrerá imposição de pessoas em seu circulo social, sendo confrontado se realmente tudo aquilo que está acontecendo é realmente verdadeiro ou é apenas mais uma arte teatral. 

O cinema nacional tem olhado com bons olhos para o gênero biográfico, dessa vez fugindo do óbvio em retratar vida de personalidades no âmbito musical e artístico, ressaltando de forma magistral um líder religioso. 

Os atores conseguiram trazer para o filme toda personificação da época, os jeitos e costumes muito bem encenados, deixando ainda mais realista. Independente do seu ponto de vista religioso, o longa merece ser apreciado e contemplado pela grandiosidade do nosso cinema nacional em apresentar grandes obras.


0 comentários:

Postar um comentário



Topo