Resenha: Insíginas

Título Original: Insígnias | Autora: Karol Blatt
Editora: Bezz | Ano: 2017 | Páginas: 374
Sinopse: Será que um grande amor é capaz de vencer uma grande guerra? Para Ahren Müller, um jovem oficial das tropas de elite do führer com uma promissora carreira dentro da Alemanha Nazista de 1942, sua verdadeira guerra foi decretada no momento em que seus olhos cruzaram com os de Hadassa Belshoff, uma jovem judia que é levada como prisioneira para a residência de sua família na Polônia. Vítima de um dos períodos mais cruéis da história da humanidade, Hadassa Belshoff encontra-se num terrível impasse ao se tornar prisioneira na mansão dos Müller. Tendo sido separada da família e com o destino nas mãos de um ditador que causou o genocídio de milhões, ela precisa decidir se deve seguir a razão ou o coração, quando em seu interior começam a brotar sentimentos inesperados e proibidos pelo seu algoz. Um amor pode nascer em meio ao ódio? Até onde é possível perdoar? Insígnias revela um amor construído em uma época difícil e por duas pessoas que estão de lados opostos em um conflito que marcou a história para sempre. Dois corações que podem representar tanto a salvação quanto a destruição um para o outro. Mas, acima de tudo, Insígnias é o relato da força de um sentimento verdadeiro que ousa crescer em meio ao sofrimento e que não titubeia mesmo diante da ameaça sufocante da morte.

📚Livro cedido pela Editora Bezz

Insígnias é um livro que chama a atenção pela proposta do romance que carrega e, ao se deparar com tal tema, o leitor fica com certo receio da história não conter fortes pontos para que esse romance se desenvolva. Confesso que esses e outros questionamentos fizeram parte de mim antes de iniciar a leitura, mas a grata surpresa ao fim, só me fez ver que valeu a pena.

Hadassa Belshoff viu seu mundo virar de cabeça para baixo literalmente da noite para o dia, quando a sua casa foi invadida pelos soldados nazistas. Todo o terror foi instalado em segundos. Ela e todos de sua família foram levados como animais para um destino completamente obscuro somente por serem judeus.

Separada de seus pais, somente com sua irmã como herança, Hadassa temia cada segundo nas mãos desses homens cruéis. Os soldados a levaram para um quarto com o intuito de cometer outros abusos, ao prever o que estava prestes a acontecer, e para salvar Lotti, ela em um ímpeto de sobreviver ao perigo acabou ferindo um dos soldados durante a luta, mas não adiantou muito e quando estava prestes a carregar mais uma marca desse horror, o oficial Ahren Müller entra e pede explicações sobre a cena que encontrou. As ações de Hadassa não ficaram sem consequências.

"Enquanto era levada para fora do quarto, toquei meus lábios e depois lancei um olhar em direção de Ahren. Ele estava concentrado em mim, e seus olhos brilhavam de forma intensa. Então, de um momento para o outro, eu soube que as coisas tinham acabado de mudar entre nós. E não eram para melhores." p.104

Ahren trazia em si os pensamentos liderados pelo führer. Carregava a superioridade de sua raça, arquitetava e sacrificava os judeus de maneira hedionda por acreditar que eles não mereciam nada além de sofrimento em todos os níveis. Mas o temperamento de Hadassa o fez querer saber até onde essa arrogância iria, e por isso a levou para trabalhar na casa de sua família.

Nesse novo contexto vamos conhecendo a brutalidade que Ahren carrega em sua essência e o pensamento familiar. Hadassa vai se adaptando a sua nova realidade e apesar de ser vista pelos outros judeus como mais um caso de Ahren por ter certos privilégios, ela faz de tudo para deixar claro seu horror a ele e a tudo o que ele representa.

"Ele me tirou a minha família, mas ainda assim, eu o tinha salvado. Ainda assim eu tinha permitido que ele me tocasse. Porque eu carregava... Carregava aquela coisa dentro do meu peito que me fazia tomar essas atitudes insanas." p.122

Até que durante um trajeto os dois são emboscados por judeus fugitivos e em um ato de sua humanidade, ela acaba salvando a vida de seu torturador e colocando em xeque sua crença, ideologia e sanidade.


Insígnias é um livro intenso em diversas vertentes, tanto pela crença que os personagens carregam quanto pelo sentimento que surge entre os dois. A desconstrução das ideologias e a forma de ver o outro lado vão sendo entregues ao leitor de maneira gradual, nada é forçado. Acompanhamos a luta pela aceitação do amor ao invés do ódio e sentimos cada angústia dos personagens. Sim! Dos Dois!

"Era uma coisa bastante inusitada. Imaginar que alguém que não era nem mesmo notado pelas pessoas ao seu redor viesse a se tornar líder de uma nação e causaria tanto mal a pessoas inocentes." p.184

Sabemos o horror que a soberania da raça ariana pelo olhar de Hitler causou ao mundo e principalmente aos judeus, mas o que mais me fez amar essa obra foi a destreza que a autora teve em nos mostrar esses dois personagens com as suas fraquezas, arrependimentos e aceitações. Claro que de início você vai querer matar o Ahren, vai ter nojo de seus pensamentos e opiniões, vai desconfiar de suas atitudes, mas também irá amar sua nova percepção de mundo e a querida Karol Blatt soube fazer esse percurso sem extrapolar sentimentalismos ou ações além do necessário, o que nos faz vivenciar a história.

Não é um livro de leitura fácil, há muitos questionamentos que nós fazemos ao decorrer da história. Nossa mente está inserida nos fatores históricos que a consequência dessa guerra trouxe, nossa visão já é conceituada pelo horror desse período, por isso entramos no mesmo dilema da personagem, em não querer aceitar, em achar doentio, mas ai a autora vem e nos entrega o percurso de uma redenção, de um arrependimento e faz Ahren querer lutar não só pelo seu amor, mas pelo amor que adquiriu pelos judeus através da Hadassa.

A história é completamente envolvente e te emociona a ponto de querer cuidar desses dois. Saí dessa leitura com a carga emocional em frangalhos, mas valeu a pena cada sentimento que ela exprime. Essa é o tipo de história que você quer que o mundo conheça e que torce para ser um best-seller, porque vale a pena e tem conteúdo para isso. Você precisa fazer essa leitura!

Bjim e até a próxima!


16 comentários

  1. Oi, parece ser um ótimo livro e bem simbólico para o momento atual do Brasil em que o pensamento neonazista ganha cada vez mais força, infelizmente e vergonhosamente. Certamente vou ler a obra.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Li uma resenha sobre esse livro tem algum tempo e ele me deixou com medo do início, mas, como você, a outra pessoa me garantiu que nós passamos a adorar a forma como tudo muda. Super anotei a dica, espero poder ter a oportunidade de conferir em breve.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Nunca tinha visto nada sobre esse livro, mas parece ser ótimo..
    Adorei sua resenha e os quotes me deixaram ainda mais curiosa..
    Achei a capa bem fofa e intensa.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi.
    Realmente, num primeiro momento é um livro que eu fugiria, bem rápido... Mas saber que que a mudança de ideologia acontece de forma gradual e convincente me animou um pouco para fazer a leitura e tirar minhas conclusões.
    Adorei a resenha e espero conseguir conferir em breve.
    beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Eu li esse livro há pouco tempo e simplesmente amei. Eu já amo a temática Segunda Guerra Mundial, e quando misturada à um bom romance então... É um livro lindo e que merece mesmo ser lido. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Eu amo, simplesmente amo livros sobre guerra! Não entendo como ainda não tinha escutado falar nada desse livro mas, vou agora mesmo procurar mais informações sobre ele. Apesar, de gostar muito das histórias sobre guerra eu sei que, eles são muito complicados de ser "digeridos" e "assimilados" pela nossa mente, por isso, achei a sua resenha muito interessante e me deixou ainda mais curiosa para saber o que aconteceu.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  7. Oiii Tammy

    Eu imagino que deve ser um livro bem sofrido, tanto pelo romance impossivel entre os personagens quanto pela ambientação histórica em si. Mesmo assim parece ser bem bonito e intenso também, do tipo que envolve o leitor.
    Eu de momento fujo de leituras tensas assim, livros de guerra mexem demais comigo. Mas pra quem curte o gênero a dica é maravilhosa.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem? Ainda não conhecia o livro e a temática dele me interessa muito, sempre gostei desse período histórico e sempre gosto de ler sobre. Eu não sou fã dessa romantização, por isso me incomoda demais, mas talvez dessa uma chance por causa da temática mesmo. Acho legal humanizar, mas não concordo com a romantização - sendo que a humanização e a romantização são separadas por linhas bem tênues dificilmente um leitor desatento e pouco informado sabe identificar. Mas que bom que é uma leitura enriquecedora, realmente parece ser. Adorei a sua resenha, me fez querer muito conferir!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Adorei ver a sua resenha sobre esse livro. Eu tive a oportunidade de lê-lo recentemente e gostei muito da leitura também. Realmente não é fácil, a gente já começa a ler com um pé atrás e terminamos gostando demais.

    ResponderExcluir
  10. Olá, só vejo comentários positivos sobre esse livro. Ficou maravilhosa a sua resenha. Tenho vontade de ler ele, pois histórias ambientadas na Segunda Guerra Mundial, apesar de fortes, costumam ser marcantes para mim.

    ResponderExcluir
  11. Olá, essa é a primeira vez que leio algo do livro e gostei bastante, sua resenha fez toda a diferença nesse primeiro cotato pois foi bem gostosa de ler.. gostei muito dessa indicação e espero conseguir ler me breve! Obeigada pela dica!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá Tammy, esse livro parece ser muito bem desenvolvido trazendo dois personagens em lados opostos, sem duvida deve ter boas reflexões *-* Dica anotada.

    ResponderExcluir
  13. Gente que contexto arrasador o dessa obra, adora livros assim, que abordam contextos importantes da história, porque fazem o leitor refletir.

    ResponderExcluir
  14. OLá!
    Menina que livro intenso hein, eu não sou muito de ler livros com a Segunda Guerra, fico mega triste e a história vai me sufocando e eu não consigo finalizar. Mas é uma história que precisa ser lida e refletida, estamos vivendo em um mundo onde o ódio vem ganhando força e livros assim são ótimos para nos fazer refletir, adorei conhecer, ótima resenha!

    beijos!

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem? Olha para mim esse assunto de romance é bem tabu por justamente conhecermos todos os horrores por trás. Confesso que não tenho estômago para ler, pois ficarei me questionando diversas vezes durante a leitura, como você levantou. Não sei se seria algo para mim, mas ótima resenha!
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Olá adorei sua resenha, acredito ser uma dica que irei aproveitar sem dúvida, gosto de estórias que nos envolve e nos liga de forma positiva aos personagens, e admiro autores que conseguem tamanha façanha, também preciso confessar que tenho uma queda absurda por dramas, e pelo seu relato é o tipo de livro que irá me emocionar, beijos!

    ResponderExcluir