Resenha: Deus Me Disse Que Não Existe

Título: Deus me disse que não existe | Autor: José Paulo Lanyi | Editora: Chiado 
Páginas: 196 | Ano Lançamento: 2018 

Não gosto de ouvir conselhos, sou teimoso. No entanto, tenho conselheiros, como todo governante que se preza. Companhia, sabe. Reunira alguns deles para que Me sugerissem a essência de um festejo. À mesa, a fina flor do Inferno. Eu, é claro, à cabeceira, a vomitar-lhes a sabedoria que Me é imanente. Tamerlão, Sejano, Messalina, o anão Torquemada e Gengis Khan eram os felizardos que comigo estavam a aprender. Em pé, à minha retaguarda, dois ferozes pretorianos cabeças-de-bode a tudo observavam, sem simpatia, à espera de Minhas ordens. 

Análise: 

Saudações literárias, queridos Livreadores, tudo bem com vocês? Espero que sim! Hoje trago uma resenha de um livro espetacular. Já quero agradecer ao autor, José Paulo Lanyi pelo envio do exemplar, muito obrigado! Nós do livreando adoramos o livro, vamos direto ao ponto e falar de toda obra? 

Um dos protagonista é o Senhor das Trevas, ou mais especificamente, o Diabo. Sim! Já presenciamos toda sua maldade nas primeiras páginas, mas fiquem tranquilos! O Tinhoso narra de forma divertida o seu desabafo das coisas que estão acontecendo no inferno e por uma coincidência do destino, acaba por puxar uma prosa com o Todo Poderoso. Conversa vai, conversa vem e uma pessoa importante entra na roda de conversa, entre o bem e o mal, Nietzsche é o centro da conversa entre os dois “poderosos”. 

Notamos toda habilidade e precisão do autor, um romance cênico ao meu ver é algo difícil de criar, projetar e escrever, mas José Paulo Lanyi faz isso de forma bem fluída e intensa. Ele usa da sutileza nos versos e prosas, cunhando uma leitura rica em detalhes e interação entre os personagens, sem contar os episódios cômicos de alguns personagens com o Senhor das Trevas. 

Outro destaque importante é por conta do trabalho incrível da Editora Chiado, capa do livro está fantástica, uma verdadeira obra de arte! Nota 10 para diagramação e edição, com fontes medianas e bons espaçamentos, proporcionando uma boa leitura a qualquer hora do dia e da noite. Deus e Diabo passam boa parte do livro dialogando, colocando algumas ideias e pensamentos para realidade, uma em especial, dar fim ao céu e inferno, deixar apenas um lugar para os dois reinos. Situação que deixa o Tinhoso em constantes indagações, sendo o pai da mentira, ele tenta a todo custo tirar vantagem. 

Durante toda aventura, os leitores vão conhecer vários personagens que fizeram uma trajetória nefasta na Terra, lógico que o lugar deles seria o fogo eterno do inferno, encontramos Messalina, o anão Torquemada e Gengis Khan, entre outros que fazem parte do círculo estratégico do Diabo e nas tomadas de decisões infernais. 

Um terceiro elemento vai deixar todo o romance mais instigante e intuitivo, um às na manga que faz toda diferença durante os diálogos entre os personagens principais e secundários. 

Leitura fluída e dinâmica, quando percebemos já estamos nas dez últimas páginas. Uma leitura super recomendada, mesclando humor com romance e bons diálogos ácidos com Deus e o Diabo.


5 comentários

  1. Parece ser bem interessante e dá para ver que realmente gostou da obra, mas é uma obra que não me interessa em ler, então deixarei a dica passar dessa vez, mesmo assim, muito obrigada.

    Abç

    ResponderExcluir
  2. Uau! Amei a premissa, já salvei pra pesquisar valores!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro mas adorei a ideia da narrativa. Fiquei aqui imaginando as farpas sendo trocadas entre Deus e o Diabo.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  4. Oie
    uau que legal que é uma leitura tão fluida, não sei se é o que procuro no momento mas com certeza o enredo esta muito criativo, adorei

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Rafael, o livro tem um título bem curioso, conforme fui lendo sua resenha já fiquei bem interessada em ler esse livro, pelo seu post parece uma história muito interessante.

    ResponderExcluir