Lançamento: A Estrangeira

A Estrangeira é um belo romance histórico escrito pela querida Chirlei e lançado pela Editora Pedrazul. Vem conhecer mais sobre essa obra!
No século XIX, o conde de Northumberland, conhecido por lorde Hotspur, um dos descendentes de Sir Percy, um cavalheiro medieval envolvido na Batalha de Otterbourne, travava uma luta bem menos sangrenta. Obrigado por honra a se casar com uma prima por quem ele não nutria nenhuma simpatia, ele se depara com uma misteriosa recém-chegada às imediações de Alnwick Castle. A misteriosa estrangeira, vestida à moda de vinte anos atrás, mexe com a imaginação de todo o condado e, principalmente, com a vida do conde. Pouco se sabe sobre a moça, apenas que é metade inglesa e metade prussiana. Com apenas alguns Shillings e um cão, que apareceu sem ser convidado, a vida de Eliza se cruza com a do conde Hotspur, o cavalheiro que herdara de seu antepassado, além do apelido, o ímpeto e a beleza. Entretanto, fala-se no condado que o clã Northumberland, além de ter a estranha tradição de se casar com primos, no passado casava-se com seus próprios irmãos. O encontro entre o conde Hotspur e a pobre dama vai desenterrar antigas contendas, ela querendo se esconder e ele desvendar o passado.

Para quem não quer aguardar o lançamento do físico que sairá ainda em maio, já pode adquirir a versão e-book por apenas R$6.90 AQUI. E para quem tem Kindle Unlimited, também pode baixar e conferir mais sobre a misteriosa Eliza e o conde Hotspur.

Além de A Estrangeira, a autora ainda criou outros três romances menores que são uma espécie de spin-off e traz os personagens coadjuvantes de A Estrangeira. Para quem quiser conhecer mais é só conferir as sinopses.

A Ama Inglesa
O segundo livro da série O Quarteto do Norte
Desde pequena, a menina Leonora se perguntava por que sua mãe sabia ler e escrever em dois idiomas e o pai sequer sabia ler em um deles. Instruída pela mãe francesa, a filha de um simples cuidador de cavalos muito cedo se vê sozinha no mundo, à mercê de uma tia autoritária e de um padrasto violador. Um encontro na infância provoca uma reviravolta em sua vida e ela vai trabalhar como ama da duquesa viúva de Pudhoe, uma dama autoritária, mas que a respeitava. Entretanto, quando lady Muriel Browne chega de Londres para passar uma temporada em Pudhoe Castle, no Norte da Inglaterra, tudo à sua volta muda. Leonora começa a ser destratada pela duquesa e até pelos outros servos, até então seu amigos.
Numa noite gelada em Newcastle, sem ter para onde ir, ela acaba se abrigando no celeiro, aconchegada à vaca da duquesa, para não morrer de frio. Ali ela é acordada brutalmente pelo capataz da propriedade e amparada por aquele cuja imagem permeara seus pensamentos durante cinco longos anos, o poderoso duque de Pudhoe, conhecido em toda a Europa por lorde Perverso. Mas Leonora não o via assim. Pelo contrário. Achara-o caridoso. Afinal, se não fosse por ele, certamente não teria sobrevivido àquela noite.

Um Cocheiro em Paris
O terceiro livro da série O Quarteto do Norte
Quando o duque de Belvoir teve que sair às pressas da casa de Juliette Drouet, a amante de Victor Hugo, para não ser pego em flagrante pelo próprio escritor, sua única alternativa foi dirigir a própria carruagem pelas vielas de Paris. O que ele não esperava, contudo, era que tivesse que socorrer uma dama que acabara de chegar à cidade. A carruagem do Hôtel de Ville, que fora buscá-la no porto, havia quebrado um eixo e ele passava no exato momento do acidente. Não teve alternativa senão esconder a sua identidade, pois a jovem estava acompanhada justamente da ordinária baronesa viúva de Patchetts, uma antiga vizinha do duque seu pai, no Norte da Inglaterra. Tudo o que ele — o duque inglês bastardo — não podia, naquele momento, era ser reconhecido. Assim, apresentou-se como o cocheiro do conde Filippo Raspail e prestou socorro às damas.
Fruto da relação de um poderoso duque inglês, que não tivera filhos no casamento, com uma cortesã francesa, Belvoir — assumido pelo pai — vivia uma vida desregrada em Paris. Embora na juventude tivesse tido certa proteção moral por parte dos amigos, o duque de Prudhoe e o conde de Northumberland, sofrera muita rejeição da aristocracia britânica, sendo chamado de ‘lorde bastardo’. Por isso, tinha convicção absoluta de que nunca se casaria com a filha de nenhum deles. Belvoir só não contava que Harriet Neville, a lady que socorrera, se apaixonaria de verdade por ele, mesmo achando que fosse um humilde cocheiro.

Fronteira da Paz
O quarto livro da série O Quarteto do Norte
Lady Leanah sempre fora a boa moça. Fazia tudo o que se esperava de uma dama. Manteve-se pura à espera de seu príncipe, o cavalheiro que ela sempre amara, lorde Robert Percy, o irmão mais novo do conde de Northumberland, Edward Percy. Quando, finalmente, já com 23 anos, está prestes a realizar o seu sonho e casar-se por amor, Robert se casa às pressas com sua antiga prometida, Charlotte Mortimer, uma prima por parte de mãe, e a abandona. Decidida a se vingar, lady Leanah se aproxima de Elizabeth Douglas, uma cortesã regenerada, e implora para que a ensine a deixar todos os homens aos seus pés.
Quando o bom moço lorde Robert Percy, finalmente, recebera a aprovação do conde seu irmão, Edward Percy, para se casar com a linda lady Leanah, a irmã do conde de Douglas, da ancestral família inimiga dos Percy Northumberland, ele cai numa armadilha preparada por lorde Mortimer e tem, por honra, que se casar com sua prima Charlotte. Entretanto, jurou jamais tocar um só dedo nela. Afinal, como dissera o tio, ele já não a tinha deflorado? Cansado de ser o bom homem, o lorde se torna um dos maiores pervertidos da Europa e, para sair de Londres, a exemplo de seu pai, ele parte para a Índia. Quando na guerra de Folly de Auckland, ao lado de lorde Palmerston, ele entra em combate, a única pessoa que não esperava encontrar naquele lugar e, ainda por cima num bordel, era Leanah. O que, por Deus, ela estaria fazendo ali?!
Obrigada a se casar com o primo lorde Robert Percy, Charlotte Mortimer foge logo após o casamento. Seu próprio pai, por causa de dinheiro, conspirara para que aquela união acontecesse. Embarcada num navio com destino à América do Sul, com um nome falso, ela sofre um naufrágio fraudulento e é resgatada por um desconhecido. Sem se recordar quem é, apaixona-se pelo capitão do navio, um homem enigmático, com aparência celta, que a toma como mulher.
Um histórico romance sobre a vida das cortesãs inglesas e o império britânico e seus laços pelo mundo.

A Autora
Chirlei Wandekoken é jornalista, coordena a área editorial da Pedrazul Editora, a qual foi idealizadora juntamente com seus sócios. É apaixonada pelos livros desde criança e, atualmente, a sua preferência literária, além dos clássicos ingleses, são os romances contemporâneos de época e os históricos. Além de A Estrangeira, o primeiro livro da série independente O Quarteto do Norte, é dela também os demais livros da série: A Ama Inglesa, Um Cocheiro em Paris e Fronteira da Paz. A autora possui mais dois romances publicados, ambos contemporâneos, cujos enredos se passam no Brasil: Por Trás da Escuridão e O Vento de Piedade.

E aí pessoal, gostaram das novidades da Pedrazul? Não deixe de nos informar a sua opinião nos comentários.

Bjim!


8 comentários

  1. Romance histórico não faz muito o meu género, mas de vez em quando gosto de variar a minha leitura. São boas sugestões.
    http://livrosepapel.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Eu amo romance histórico ou de época e é claro que já fiquei interessada. Achei as capas muito bonitas.

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?
    Não conhecia as obras, mas me chamaram a atenção por serem de época. A ama inglesa foi o que mais chamou minha atenção, apesar do primeiro não me chamar muita. Vou esperar os livros serem lançados em versão física, não sou muito chegada a ebooks, espero curtir a leitura.

    ResponderExcluir
  4. OOi!
    Gostei bastante da sinopse de A Estrangeira , mas confesso que pela capa eu passaria longe. Mas, o que vale é o conteúdo, certo?! haha Dica anotada! :)
    Beijoos!

    ResponderExcluir
  5. Oii
    Eu meio que fujo de romance de época não faz meu estilo infelismente mais alta quem gosta tenho certeza que vão gostar destes títulos

    ResponderExcluir
  6. Tem sido lançados bastantes romances de época, que parece ser o caso desses( se não forem históricos). Bem, não é meu gênero favorito, mas sempre gosto de ler as resenhas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olaa
    Romance de época/histórico não é um dos meus maus favoritos mas ja li alguns, não gostei de todos mas acho bacana, sensacional seu post.
    Sucesso

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Sendo mega fã do gênero, óbvio que super dica anotada. Irei esperar o lançamento físico pois a Pedra Azul tem umas edições muito linda. Adorei <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir