Resenha: A Promessa da Rosa (Flores da Temporada #1)

Título Original: A Promessa da Rosa | Autora: Babi A. Sette
Editora: Novo Século | Ano: 2015 | Páginas: 432
Sinopse: Século XIX: Status, vestidos pomposos, carruagens, bailes… Kathelyn Stanwell, a irresistível filha de um conde, seria a debutante perfeita, exceto pelo fato de que ela detesta a nobreza; é corajosa, idealista e geniosa. Nutre o sonho de ser livre para escolher o próprio destino, dentre eles inclui o de não casar-se cedo. No entanto, em um baile de máscaras, um homem intrigante entra em cena… Arthur Harold é bonito, rico e obstinado. Supondo, por sua aparência, que ele não pertence ao seu mundo, à impulsiva Kathelyn o convida a entrar no jardim – passeio proibido para jovens damas. Nunca mais se veriam, ela estava segura disso. Entretanto, ele é: o nono duque de Belmont, alguém bem diferente do homem que idealizava, só que, de um instante a outro, o que parecia a aventura de uma noite, se transforma em uma paixão sem limites. Porém, a traição causada pela inveja e uma sucessão de mal-entendidos dão origem ao ciúme e muitas reviravoltas. Kathelyn será desafiada, não mais pelas regras sociais ou pelo direito de trilhar o próprio caminho, e sim, pela a única coisa capaz de vencer até mesmo a sua força de vontade e enorme teimosia: o seu coração.

Olá lindezas, como estão? Senti até saudades esse mês de interagir com vocês. Foi corrido o mês de março. Já que estou de volta, nada melhor do que resenhas, e de um nacional! 👏👏👏
A Promessa da Rosa é um romance que te tira dos eixos, por assim dizer, são tantas complicações e aparentes decretos que o leitor algumas vezes fica de cabelo em pé. Para explicar melhor todo esse conflito, vamos conhecer melhor a história.

"Aventura. Essa era a palavra qua a movia. Não. Era o lema de suas veias e o que ansiava até os poros. Aventura. Sempre foi esse o problema em vestir saias. Ela gostava demais da queimação do perigo, da emoção, de poder ser descoberta, daquele estado excitante em que encontram todos os sentidos diante de um desafio." p. 16

Kathelyn Stanweel é uma jovem que não vê com bons olhos a nobreza, apesar de fazer parte dela. Sendo filha de um conde, sempre fugiu ao máximo do considerado correto aos olhos dos nobres. Não aceitava seus comportamentos e como "negociavam" as mulheres ao casamento. Seu espírito aventureiro e até um pouco serelepe, sempre a colocava em maus lençóis, mas ela sabia persuadir, e por esse motivo, conseguiu uma concessão para ir ao baile de máscaras e poder enfim, realizar seu sonho... Conseguir ver uma coleção de relíquias da Grécia, e esse desejo, poderia lhe levar a ruína caso fosse descoberta ao entrar furtiva na biblioteca particular.

"Ele sabia que o que buscava era quase uma impossibilidade. As mulheres interessantes não faziam parte do mundo aristocrático. Não, infelizmente, ela não se enquadraria dentro daquilo aceitável para um duque." p.30 

Só que o baile lhe revelaria uma surpresa. Um falcão atraente e imponente, que, mal sabia ela, seria o motivo de toda a mudança que haveria em sua vida. Arthur Harold, 9º duque de Belmont, era um homem que sabia como viver a vida e como gastar seu dinheiro. Tinha uma visão mais ampla dos negócios e não se fascinava a toa. Gostava de se relacionar com suas amantes, mas casar, por enquanto estava fora de cogitação, esse pensamento ficou intacto até encontrar nossa protagonista. Além de sua beleza bastante valorizada entre os homens de Londres, seu fascínio por Kathelyn, aconteceu justamente pelo seu espírito de liberdade e seu interesse por assuntos que lhe agradavam, como as relíquias, o que era surpreendente, afinal, as mulheres de sua sociedade nunca se interessavam por tais assuntos.

Claro que um encontro, em pleno baile de máscaras, já era de se esperar que as revelações viessem acompanhadas de alguns impactos. Passando o susto inicial, os dois começaram a se aproximar. Kathelyn via em Arthur, um homem que apesar do título, tinha qualidades que ela admirava, e ele, não conseguiria imaginar um futuro sem ela ao seu lado. Até aqui meus amados, tudo estava indo bem, cada um se ajustando ao outro e uma paixão descontrolada surgindo. Até que o "porém" veio, e cheio de armadilhas, que fizeram o casal se separar de maneira bruta, ofensiva e escandalosa.

Três anos mais tarde, com vidas completamente bagunçadas e bem diferentes de quando se conheceram, os dois prestarão conta de suas atitudes e colocarão um ponto final em todas as informações que receberam, agora, da maneira mais clara possível.


A Promessa da Rosa é um romance que te faz enxergar diversos aspectos na história e te faz analisar minuciosamente o temperamento de ambos. O que já vou adiantando, vai te tirar do sério algumas vezes. O casal tem um grande erro... Supor situações sem ter a comprovação da verdade, e é por esse fato que se desenrola diversas informações desencontradas que tem como consequência muita dor e sofrimento.

"Feche o coração e privará o mundo da beleza de sua essência."p.187

A personagem de Kathelyn tem uma excelente evolução. Começa como uma debutante cheia de achismos e vai se apossando de uma força necessária ao longo da história. Não se fez de rogada pelo sofrimento que passou, e soube aproveitar as oportunidades que surgiram em seu caminho. Mas o que mais me encantou realmente foi que a personagem não foi hipócrita aos seus sentimentos, a autora não criou subterfúgios como desculpa para mostrar ao leitor como seu coração se portava. Com todas as duvidas e medos, Kathelyn foi uma personagem humana e com conflitos bem reais e sinceros.

"Por isso os mitos e fábulas são espelhos de nossa essência, por mais que os deixemos nus, voltam a estar cobertos. A nudez é ilusória." p.133

Já com Belmont, tive que passar por um processo para poder aceitá-lo. Em primeiro momento ele parece ser realmente o que transparece. Um homem com uma visão mais abrangente, disposto a não toli as asas de uma mulher, mas quando essa mulher se transforma em sua futura esposa, ele simplesmente se enquadra a todos os homens da época, o que foi um impacto para mim, pois, no início da história construí um personagem completamente diferente do que se transformou, claro que ele deu indícios do que queria, mas não tinha ideia que levaria tudo a ferro e fogo.

"De todos os defeitos que um homem pode ter, Belmont tem o pior deles, é um maldito covarde." p.200

Por diversas vezes estava torcendo para odiá-lo, mas aí, levei em consideração seu histórico familiar e compreendi um pouco suas atitudes, mas ainda assim, não as aceitava. Vivi em constante conflito com esse personagem, uma história de amor e ódio, que felizmente, no final, conquistou o seu espaço por passar por cima do próprio orgulho. Isso era realmente necessário para não adiá-lo ainda mais.

Todo o enredo foi desenvolvido em cima do amor que sentiam, mas também pelos caminhos que a vida resolveu tomar para mudar os planos. E durante esse percurso, eles se machucaram até a alma, se perderam e se encontraram. Cada atitude de ambos teve um efeito dominó, e ao final, seus sentimentos prevaleceram.

Uma coisa que senti falta no desenvolvimento da história foi sobre o gosto que tinham em comum referente as antiguidades, pensava que iria ter mais detalhes sobre esse mundo, e entender com os personagens esse fascínio. De maneira geral, Babi A. Sette desenvolveu um romance dramático, cheio de significados e envolvente. O leitor se envolve com os diversos sentimentos contidos na história. Para quem aprecia um romance de época com essas características, essa obra é uma ótima indicação.

"As pessoas acham que a rosa é comum demais. Preferem a raridade das orquídeas ou a fragilidade das camélias. O que me intriga nisso é que ela é perfeita, e por ser perfeita, todos a querem. Então, quando a possuem, ela passa a ser vulgar. Não é engraçado isso?" p.186

7 comentários

  1. Nossa, adorei o livro e a resenha! Confesso que não sou atraida facilmente pra romances de época, mas a resenha me fez querer ler.Gostei da ideia da protagonista não querer "se encaixar" dentro dos valores e costumes dos nobres. Parece ser o tipo de livro que faz sentir muitas emoções! Vai pra minha listinha!

    http://nebulosadeflores.blogspot.com.br (meu blog foi inauguradk hj, se puder fazer um visita ou seguir eu agradeço o apoio ♡)

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu li O Despetar do Lírio e lá a protagonista diferentemente de em A Promessa da Rosa , tenta a todo custo fazer o que a sociedade espera dela, e vê que duas irmãs que tiveram a mesma criação, apresetam um comportamento diferente diante das imposições da época. Eu me apaixonei pela escrita da Babi, e estou ansioso pra ler tanto esse , quanto os demais livros dela. Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto muito de romance de época e há algum tempo eu tinha curiosidade com esse livro, mas hoje não me interesso tanto assim Pretendo ler algum dia para matar a curiosidade. A capa eu acho maravilhosa e gostei de conferir a sua opinião sobre a obra.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Conheço esse livro, mas não tive a oportunidade de lê-lo até o fim, fiz a promessa para mim em me dedicar aos livros da autora com tempo.

    ResponderExcluir
  5. Eu adorei a premissa da obra, parece ser uma leitura ótima! Estou querendo começar a ler romances de épocas, então esta postagem foi uma maravilha para mim. Parabéns pela resenha, pois esta ótima!

    Beijos,
    www.paginasincriveis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi, Tâmara!
    Vejo muuuuitas pessoas falando nesse livro, além dos demais da autora, o que por si só já é o suficiente para despertar - e muito - a curiosidade de qualquer um. Afinal, porque tanta gente gosta da obra?
    Bom, pela sua resenha, os motivos foram vários e mais uma vez me vejo tentada a conferir essa história. Só espero gostar.

    ResponderExcluir
  7. Olá, não conhecia a autora, mas esse título me é familiar. Parece que é uma história bem envolvente e com elementos bem intrigantes na trama. Não faz muito meu gênero de leitura, mas poderia dar uma chance, pelos elogios a escrita da autora. Bjs

    ResponderExcluir