Resenha: A Menina Submersa: Memórias


Título Original: The Drowning Girl: A Memoir | Autor: Caitlín R. Kiernan Páginas: 317 
 Editora: Darkside Books | Ano: 2015 | Gênero: Fantasia/ Ficção Científica

Sinopse: A Menina Submersa: Memórias é um verdadeiro conto de fadas, uma história de fantasmas habitada por sereias e licantropos. Mas antes de tudo uma grande história de amor construída como um quebra-cabeça pós-moderno, uma viagem através do labirinto de uma crescente doença mental. Um romance repleto de camadas, mitos e mistério, beleza e horror, em um fluxo de arquétipos que desafiam a primazia do “real” sobre o “verdadeiro” e resultam em uma das mais poderosas fantasias dark dos últimos anos. Considerado uma “obra-prima do terror” da nova geração, o romance é repleto de elementos de realismo mágico e foi indicado a mais de cinco prêmios de literatura fantástica, e vencedor do importante Bram Stoker Awards 2013. O trabalho cuidadoso de Caitlín R. Kiernan é nos guiar pela mente de sua personagem India Morgan Phelps, ou Imp, uma menina que tem nos livros os grandes companheiros na luta contra seu histórico genético esquizofrênico e paranoico. Filha e neta de mulheres que buscaram o suicídio como única alternativa, Imp começa a escrever um livro de memórias para tentar reconstruir seus pensamentos e lutar contra o que seria “a maldição da família Phelps”, além de buscar suas lembranças sobre a inusitada Eva Canning, sua relação com a namorada e consigo mesma, que evoca em muitos momentos a atmosfera de filmes como Azul é a Cor mais Quente (Palma de Ouro em Cannes, 2013) e Almas Gêmeas (1994), de Peter Jackson.




Olá, voltei!! Desculpem o sumiço de duas semanas, mas tive uns dias conturbados. E foi justamente toda essa loucura que me fez escolher esse livro para resenhar para vocês...

Será que sou uma louca que apenas transfere seus delírios e consciência perturbada para a palavra escrita?

Para alguns esse é um livro confuso, para outros louco. Para mim ele é fantástico. Você já pensou como é entrar na cabeça de um doente mental, de um paranoico, lunático ou esquizofrênico? Ver de forma "clara", como se fosse a narração de um livro, toda essa loucura? Em 'A Menina Submersa' temos um pouco disso, e é isso que, na minha humilde opinião, torna o livro tão fantástico.

Todos temos nossos demônios, aos quais escondemos bem nas entranhas do nosso ser. Muitos nem conseguem lidar com eles e tem medo do que aconteceria se as pessoas os descobrissem. E mesmo eles estando a todo o tempo à espreita, tentando escapar e se mostrar para o mundo, fazemos todo o possível para esconde-los, tranca-los em uma caixinha escondida bem no fundo escuro de nosso ser. Mas, se um dia resolvêssemos contar para alguém sobre eles, tenho certeza que seria da mesma forma que India Morgan Phelps, ou simplesmente Imp, fez. E que a sensação que nosso ouvinte teria seria a mesma que temos ao ler essa obra, de plena confusão e complexidade. Por que, lidar com o outro e com suas "esquisitices" pode ser muito complicado, ainda mais quando temos os nossos próprios demônios esperando uma brecha na porta do subconsciente para escapar.

Eu nunca poderia ser uma escritora. Não uma escritora de verdade. É terrível demais ter pensamentos que se recusam a se transformar em frases.

A Menina Submersa é escrito de uma forma não-linear, o que de certa forma te deixa confuso e te faz ter que reler algumas parte para que entenda. Mas, toda essa confusão, para mim, é uma forma que a autora encontrou de mostrar como funciona a mente de India, que foi diagnosticada com um distúrbio psicológico aos 17 anos, logo após perder sua mãe.

De acordo com a garota, as mulheres da família sofrem da "Maldição da Família Phelps" pois, elas teriam um histórico genético esquizofrênico e paranoico. Sua mãe e sua avó para fugirem desse fardo de loucura se suicidaram, e agora Imp tenta de uma forma tortuosa entender o que aconteceu com elas, com Eva Camming, com sua namorada e com si própria.

"Você olha para um quadro pendurado em uma parede e, de repente, ele parece uma janela. Parece tanto uma janela que uma garota de 11 anos tenta esticar a mão até o outro lado. Mas a parte triste das janelas é que a maioria delas abre para os dois lados. Elas permitem que você olhe para fora, mas também deixam que alguma coisa que acontece olhe para dentro."

Nós acompanhamos de forma muito intensa o passado da protagonista com sua avó, sua ralação com Abalyn Armitage - uma moça que ela conheceu no meio da calçada e que tinha acabado de ser "despejada" por causa de sua orientação sexual, e sem mesmo a conhecer, Imp acaba convidando a garota para ir morar com ela, e depois de um tempo elas acabam namorando. Acompanhamos também sua relação consigo mesma e sua busca em sua memória do que é falso e do que é verdadeiro, depois de conhecer Eva Camming.

A forma como a personagem fala, explica e afirma a veracidade do quadro A Menina Submersa é tão real que, nos faz ter uma visão ampla e profunda dele e do artista, fazendo com que acreditemos na existência dos mesmos. Se buscarmos informações quanto ao quadro e ao autor, vemos que não passam de personagens fictícios muito bem construídos.

Quer dizer, se é que essa conversa aconteceu. Quase parece que sim, mas um monte de lembranças minhas são falsas, por isso nunca posso ter certeza, de um jeito ou de outro. Muitas das minhas lembranças mais interessantes parecem nunca ter acontecido.

Como sua memória é irregular, ela nos avisa várias e várias vezes que não tem muita certeza se algo aconteceu daquele jeito, mas que pode ter sido bem parecido com aquilo. Ela faz com que enxerguemos tudo da forma como quer, como se houvesse algo embaçando nossa visão para os fatos e detalhes. O único momento em que vemos a mente dela com clareza é quando ela para de se medicar, em uma tentativa de descobrir Eva, e acaba mergulhando em um mundo de esquizofrenia, paranoia, confusão e demônios em sua própria mente.

— Como falei, dou risada sempre que posso. Rio para manter os lobos a distância.

A Limited Edition de A Menina Submersa e linda como qualquer outro livro da DarkSide. Tem um designer maravilhoso com acabamento perfeito. As folhas, besouros, lacraias e as ilustrações dão um toque a mais no livro que já é lindo, sem falar das laterais rosas que são um amorzinho.

Concluindo digo que: Esse livro é maravilhoso.

Sim! Ele e complicado, não é um livro fácil. Depois que terminado, você vai ficar semanas digerindo ele. Vai ser difícil terminar a leitura mas, o que esperar de um livro como este? Com esse tipo de enredo? Pois este não é um livro como os que costumamos pegar nas prateleiras. Ele não estar aqui para te abraçar e consolar, não! Ele estar aqui para mexer com você e te fazer enxergar coisas que você talvez nunca tivesse visto, de maneira complexa e um pouco arrastada, mas que não deixa de ser boa. Até por que, inovar e preciso, abandonar velhos hábitos e experimentar novas ideias fazem sempre bem.

Então, se você ainda não leu e quer ler, prepare seu subconsciente, pois esta é mais uma obra fantástica da DarkSide que vai te impressionar. E quer saber?! Eu aconselho que leia.

A normalidade é um comprimido amargo do qual reclamamos.

Até a próxima,

Grande beijo.



16 comentários

  1. Adorei! Gosto de leituras que nos fazem refletir e que nos fazem ver as coisas de um angulo diferente.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Suene!
    Eu comprei esse livro tem uns dois anos, mas acabei perdendo o interesse e passei pra frente.
    Realmente a edição é linda. Eu vi muitas resenhas negativas sobre o livro ser confuso e tals.. Galera esqueceu de reparar que se trata de alguém com esquizofrenia.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Literário de Carnaval
    Resenha Premiada Paixão e Crime

    ResponderExcluir
  3. Oi Suene,
    Eu sou apaixonada por esse livro. Deste da capa, até a sinopse. Já estava na minha wishlist a séculos. Tinha visto tanta resenha negativa (que me faz ter vontade mais ainda, pois normalmente quando falam que o livro é ruim etc é ai que tenho mais vontade de saber se é tudo isso mesmo ou o livro ainda se salva.
    Agora, com sua análise, tenho ainda mais vontade de ler e ter essa experiência de leitura.
    Beijinhos =*
    www.umsofaalareira.blogspot.com.br
    www.blogdamiaka.blogspot.com.br
    www.youtube.com/InsoniaNerdTvUmSofa

    ResponderExcluir
  4. Parece que o universo já leu esse livro menos eu, sou encantada com o enredo, mas não posso dizer se é loucura ou sem sentido, pois, infelizmente, não o li :(

    ResponderExcluir
  5. Não é bem o gênero que me desperte interesse com frequência mas algumas vezes eu fico curiosa, o que aconteceu nesse caso. Acho que pode ser uma leitura muito boa e gostei de conferir a sua opinião.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Suene!
    Há tempos quero ler esse livro. Realmente já vi pessoas dizendo que o livro é confuso, mas acredito que sua interpretação esteja correta, provavelmente a intenção era mesmo mostrar através da narrativa a forma como a mente dessas pessoas funciona. Eu já li outros livros assim e acho genial!

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  7. Olá Suene, tudo bem?

    Gostei da sua resenha. Eu tenho o livro Menina Submersa, é uma obra muito boa, gostei de fato. A capa é muito legal, a Dark caprichou na edição.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. olá o//
    menina submersa esta na minha lista deis que a darkside lançou essa edição fiquei interessada, mais reparei que o povo ficou dividido uns gostam outros não acho que terei q ler para poder tirar minhas próprias conclusões.

    Bjsss

    ResponderExcluir
  9. Olá Suene, eu li esse livro, demorei para ler na verdade, mas é um livro muito intenso, quem não está preparado para ler tem dificuldade para entender. Mas eu recomendo a leitura. Bjkas

    ResponderExcluir
  10. Oi, ao contrário de você, eu não curti tanto esse livro. Achei incrível a forma como ficamos confusos e nos sentimos na mente de Imp, mas gostaria que a autora tivesse trabalhado mais o quadro, a Eva e tal, mas perde muito tempo com os devaneios da Imp, o que se tornou chato para mim. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Ainda não li esse livro. A capa da Darkside são tão instigantes.
    Quero ler em breve o gênero me atrai bastante.
    Espero qie seja tão boa quanto foi pra vc mesmo parecendo ser intenso e com uma leitura bem detalhada.
    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  12. Olá, ainda não li esse livro mais tenho muita curiosidade em ler pelas resenhas que li, é ama-me ou odeie-me, quero ver de que lado vou ficar...Adorei a sua resenha, despertou ainda mais minha curiosidade. Bjs

    ResponderExcluir
  13. Oi Suene, tudo bem?
    Este é de fato um livro 8 ou 80, quem gosta fica encantado(a) com a narrativa e quem não gosta não há nada que faça mudar de ideia. Por isso fico sempre pesando se devo ou não ler e sempre que me deparo com resenhas positivas como a sua fico tentada em comprá-lo, porém o pé fica um pouco atrás. Por enquanto, irei seguir com ele na geladeira, mas espero quebrar essas barreiras um dia.
    Mergulhar na cabeça de um esquizofrênico é sem dúvidas uma tarefa bem complexa, entendê-los não deve ser um processo fácil, porém acredito que sendo abordado da maneira correta se torna uma tarefa fácil.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    A parte gráfica do livro está maravilhosa mesmo!
    Acho o enredo deste livro bem interessante, e até hoje não entendo o motivo de ainda não ter comprado.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem?
    Eu já li algumas resenhas desse livro e a cada leitura fico mais interessada nele. Me parece ser uma boa leitura, um pouco intensa, mas muito boa.
    Dica anotada. Beijos

    ResponderExcluir
  16. Olá, Suene!

    Gostei da história e enredo do livro, apesar de não conhecê-lo. Se eu tiver oportunidades, com certeza vou querer saber mais e lê-lo.

    "A normalidade é um comprimido amargo do qual reclamamos" gostei bastante dessa frase <3
    ABraços

    ResponderExcluir