Resenha: Amy & Matthew


Título: Say What You Will   | Autor: Cammie McGovern 
 Páginas: 336 | Editora: Galera Record | Ano: 2013 | Gênero: Young Adult


Sinopse: Amy e Matthew não se conheciam realmente. Não eram amigos. Matthew sabia quem ela era, claro, mas ele também sabia quem eram várias outras pessoas que não eram seus amigos. Amy tinha uma eterna fachada de felicidade estampada em seu rosto, mesmo tendo uma debilitante deficiência que restringe seus movimentos. Matthew nunca planejou contar a Amy o que pensava, mas depois que a diz para enxergar a realidade e parar de se enganar, ela percebe que é exatamente de alguém assim que precisa. À medida que passam mais tempo juntos, Amy descobre que Matthew também tem seus problemas e segredos, e decide tentar ajudá-lo da mesma forma que ele a ajudou. E quando a relação que começou como uma amizade se transforma em outra coisa que nenhum dos dois esperava (ou sabe definir), eles percebem que falam tudo um para o outro... exceto o que mais importa.

Olá, pessoas! Como vocês estão? Espero que estejam bem.

O livro que vou falar hoje é um YA, sim! Outro Young Adult. Estou em uma vibe bem leve que estar recebendo bem esse gênero literário.
As vezes, "eu te amo" é o mais difícil de dizer.
E se você gosta de "A Culpa é das Estrelas", "Extraordinário" e livros que tratam desses assuntos mais delicados, vai amar "Amy & Matthew" da autora Cammie McGovern. Se trata de uma história sincera sobre dois adolescentes que a cada dia enfrentam diferentes desafios e a cada ano uma nova superação. Pode parecer que Amy & Matthew é mais um daqueles livros tristes que faz a gente chorar e shippar o casal com todas as nossas forças, mas não é bem isso, ele vai te fazer se emocionar e refletir sobre muitas coisas. É escrito com narrativa em terceira pessoa, capítulos curtos e tem uma escrita que flui bem.
"Viver em um corpo que limita minhas escolhas significa não ser uma vítima da moda ou das pressões culturais, porque não existe lugar para mim na cultura que vejo. Ao ter menos opções, sou mais livre do que qualquer outro adolescente que conheço."
Amy é uma adolescente de 17 anos, está no último ano escolar e sofre de uma doença cerebral chamada “Hemiplegia” que é a paralisia de metade sagital (esquerda ou direita) do corpo, o que faz com que, um lado de seu corpo seja mais afetado do que o outro e não tenha nenhum movimento. Sendo assim, ela tem dificuldade em falar coerentemente, só consegue andar com ajuda. Para se comunicar, Amy, usa um computador portátil chamado Pathway que reproduz em uma voz robótica o que ela digita. Amy é uma personagem muito inteligente, porém, não é perfeita muito menos uma guerreira em um mundo distópico.

Devido a essa doença, ela sempre teve pessoas adultas acompanhando-a na escola pois sempre precisou de ajuda, até que em uma aula ela faz uma redação sobre sua condição e desperta o interesse de vários outros alunos da escola, e um desses alunos é Matthew que diz á ela que não devia ser feliz e agradecida como ela escreveu pois, não tem amigos pelo que ele saiba, já que ela sempre anda acompanhada por adultos, o que acaba afastando os outros alunos dela e evitando assim, que ela faça amigos. E isso deixa Amy pensativa sobre a questão, e ela acaba percebendo que ele estava certo, e assim, ela propõe para sua mãe fazer uma seleção para os próprios alunos da escola serem seus monitores e ajudar ela a andar pelos corredores em sua cadeira e dar comida no intervalo. Amy manda um e-mail para Matthew pedindo para ele se candidatar à vaga.
Talvez não tenha essa noção, mas, quando se tem uma deficiência, quase ninguém fala a verdade para você.
Atormentado por transtorno obsessivo-compulsivo, Matthew é consumido por pensamentos repetidos e rituais neuróticos. Ele tem seus próprios problemas, inclusive, vive com suas neuras e psicoses. Diferente dos de Amy que são visíveis os de Matthew são interno, e ele consegue esconder dos outros alunos, ainda mais por ser "invisível" e não ter muitos amigos na escola, ou em qualquer outro lugar.

E no decorrer do livro, devido a ir estabelecendo um amizade verdadeira com Amy, ele acaba indo revelando a ela seus problemas e também aceitando-os como doença e buscando uma solução.
Nossas fraquezas se combinam muito bem. Nós preenchemos as lacunas um do outro.
Amy também faz amizade com outros de seus instrutores alunos, um garoto chamado Sanjay e uma menina chamada Sarah. Eles são bem diferentes da realidade de Amy o que acaba fazendo com que a amizade construída por eles seja mais superficial.

O livro é dividido em duas partes, a primeira parte é mais uma introdução aos personagens e como eles veem levando a vida antes de se tornarem maiores. A segunda parte, é definitivamente mais agitada que a primeira. Além de vir embalada com novas revelações e reviravoltas chocantes. E aí que a autora acaba pecando, por que deixa alguns pontos confusos e acontece um pouco de perca de foco. Além de que, no inicio tínhamos a ideia de que o livro iria tratar de um determinado assunto, mas quando começa a segunda parte esse assunto meio que morre, e a historia toma rumos diferentes.
"Mas concluí que é possível amar alguém por razões inteiramente altruístas, por todas as suas falhas e fraquezas, e ainda assim não ter esse amor correspondido. É triste, talvez, mas não trágico, a menos que você fique buscando seus afetos esquivos para sempre."
Amy e Matt passa para o leitor a mensagem de que ninguém é perfeito ou pode ter tudo o que quer, mas que mesmo com imperfeições as pessoas valem a pena, e também que é sempre bom falar o que sente antes que seja tarde de mais pra isso. É uma história de amor, sem muitos clichês e que não tem o final esperado.

Bom, essa é minha opinião sobre o livro, acho que ele tem um bom enredo, mas, que deixa alguns pontos a desejar. A autora perdeu algumas deixas para ter tratados de alguns assuntos importantes e que poderia ter deixado o livro melhor. Não chorei como algumas pessoas que leram o livro, mas confesso que em algumas partes me emocionei.

Espero que tenham gostado da resenha, e encerro com essa ultima citação:
"(...) não acho que você tenha que cortar todos os seus relacionamentos para fugir das expectativas que as pessoas têm de você. Você pode simplesmente não fazer o que elas esperam, certo?"

Abraços!

13 comentários

  1. Olá!
    Aposto que vou adorar esse livro!
    Amo Y.A <3
    Já anotei na minha lista.
    Lendo sua resenha, me despertou mais vontade de ler, você escreveu super bem. Adorei!

    Parabéns pelo blog! *-*

    Beijo, beijos
    Aline
    relicariodehistoriasma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Obrigada pela opinião e que bom que esta gostando do blog. Essa é a nossa intenção e fazemos tudo com muito carinho para vocês! :)
      Espero que goste da leitura.
      Bjs

      Excluir
  2. Ainda não li esse livro, mas já ouvi dizer que é muito bom. amei a resenha, vou ler com certeza!

    ResponderExcluir
  3. Oiiii, eu adoro sick lits, sempre me emociono e os livros sempre são bem informativos e pela sua resenha, esse não é diferente. Me identifiquei com Matthewpois tenho um pouco de TOC, que fera piadas e algumas reclamações das pessoas próximas. Ainda não tive a oportunidade de ler, mas fiquei bem tentada. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    Owmmm mais que livro lindo.
    Adoro Yung Adult e esse livro me parece um amor
    Claro que vou ler, dica super anotada.Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu sempre achei a capa deste livro parecida com a do Eleanor e Parker da Rainbow Rowell e achava que até mesmo a temática era parecida e por isso acabei não dando a devida atenção. Agora lendo a sua resenha tive o interesse despertado justamente por tratar questões tão delicadas, adolescentes possuem dificuldades para compreender as diferenças e ter livros que tratem o assunto é muito importante, gostei da mensagem que é transmitida, como você mencionou "mesmo com imperfeições as pessoas valem a pena", sem dúvidas vale a pena.
    Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, eu conheço o livro, mas confesso que algo nele não me deixou empolgada a ler. Uma pena que a autora tenha pecado em desenvolver alguns temas. A parte dá emoção, ou do choro é meio relativo, pois tem gente que chora mais fácil que outras.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Achei a premissa bem interessante e é a primeira resenha que leio sobre a obra!
    Os personagens, cada um com suas singularidades e obstáculos a serem superados me chamam bastante a atenção, até porque ainda não li nada que tratasse sobre nenhuma das doenças que os dois apresentam de forma que acho bem inusitada e quero saber como foram desenvolvidas ao desenrolar da trama.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu pessoalmente não gosto desses livros Sicklit, e não fiquei empolgada para ler esse livro, pois alem de ser um, vc ainda disse que a autora se perdeu no enredo, mas mesmo assim gostei muito de sua resenha, pois deu uma opinião sincera sobre o livro...Bjs

    www.livrosemretalhos.com.br

    ResponderExcluir
  9. Olá, não conhecia a obra e já fiquei curiosa com esse enredo... parece ser uma ótima leitura.
    Sua resenha ficou ótima,
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu não sei se leria o livro por ter visto algumas opiniões não tão favoráveis sobre ele. Eu gosto de young adults, gosto de A culpa é das estrelas e de Extraordinário, acho os personagens peculiares pelas suas condições, mas confesso que tenho um certo receio quanto ao desenvolvimento e aos desfecho da história.

    ResponderExcluir
  11. Oi
    Eu não curto "A Culpa é das Estrelas" e nem "Extraordinário", porém, sempre nutri uma vontade de ler Amy e Matthew. Aliás, na bienal, li uma quantidade considerável do livro, mas já estava sem dinheiro pra comprar.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Suene. Tudo bem?
    Ainda não li Amy e Matthew, pois na época do lançamento me pareceu que a obra foi publicada para seguir uma onda de YA que estava tendo. Fiquei curiosa para saber mais sobre os protagonistas, nunca conheci alguém que tenha os problemas de Amy. Anotado.
    Beijos <3

    ResponderExcluir