Resenha: A Rainha Vermelha (A Rainha Vermelha #1)

Título Original: Red Queen
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Ano: 2015
Páginas: 424
Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.

Mare Barrow nasceu com segue vermelho e por isso está destinada a viver seus dias seguindo regras feitas pela coroa, sempre em favor da elite. Seus irmãos foram mandados para a guerra no tempo determinado, em sua casa só resta um pai cadeirante que pelo menos voltou vivo, sua mãe e sua irmã Gisa. Com Gisa, Mare segue aliviada por saber que o destino de sua irmã será diferente, por ser trabalhadora, uma aprendiz, não será enviada para os campos de batalha, destino que não será o mesmo para Mare assim que completar os dezoito anos, ela sabe que o relógio trabalha contra si a cada dia. Para que os dias não sejam tão obscuros Mare costuma bater carteiras para que sua família não viva tão limitada, ato esse não justificado para eles. Ao seu lado, sempre conta com a ajuda de Kilorn, um aprendi de pescador e seu amigo desde a infância.

Toda essa aparente normalidade chega ao fim no dia que Kilorn perde seu professor e tem seu destino traçado à guerra a partir daí. Para não ter que ver seu amigo ter o mesmo destino de seus irmãos, eles arquitetam um plano de fuga e selam seus destinos nesse exato momento. Nada sai como o desejado e sua vida mudaria como nunca antes imaginou. Mare agora é uma criada real, bem no olho do furacão, um lugar que jamais olhou com bons olhos. Trabalhando na Prova Real - disputa das filhas das Grandes Casas para saber quem ficara com o próximo Rei - ela se envolve em um acidente, onde se torna o centro das atenções por usar um poder que nem mesmo sabia ter, no meio desse grande acontecimento de prateados, cujos são os únicos vistos como deuses pelos seus poderes sobrenaturais, como explicar que uma humana, vermelha, possa ter tais poderes?


A Rainha Vermelha é uma distopia bem singular, traz todos os elementos que já esperamos como o Governo excludente, a insatisfação pela política dominadora e claro uma moça inconformada com a atual situação em que vive. Mas nessa história conseguimos ver todos os parâmetros de forma bem clara, apesar de ser narrada em primeira pessoa, a personagem vaga pelos mundos e faz o leitor ter a percepção de como funciona os ciclos da elite, dos vermelhos e dos revolucionários, claro que uns são apresentados mais que os outros, mas não atrapalham em nada os acontecimentos e o entendimento de onde a autora quer chegar.

“Você é agora vermelha na cabeça, prateada no coração.” p. 105

Em primeiro momento, é fácil deduzir para onde seguirá a história e você ser vê seguindo a leitura para chegar até o momento que você imaginou. Errado! Ao decorrer das páginas, você percebe que a autora fará questão de complicar mais a situação e você se vê completamente dividida assim como a personagem. A narrativa permite isso pelas fortes características que a Victoria relata através dos personagens, com ambientes bem construídos e as intensidades desferidas através das emoções desses personagens, é difícil se manter alheio a todos os acontecimentos. O livro tem um começo intenso, você não sabe ao certo o que irá acontecer com o futuro de Mare, depois vem a fase de adaptação de um novo cenário e a partir daí, o leitor começa a tentar desmascarar cada personagem, tentando descobrir quem realmente são.

No meio do cenário Real, observamos Mare interagindo com os príncipes Cal e Maven, apesar de encantadores, não há uma abertura clara para o romance, ele existe, mas não é o ponto principal. Mare quer lutar pela sua causa, pelos vermelhos, e toda vez que seu coração pensa em se deixar levar, fatos acontecem para que ela perceba que apesar de tudo, vermelhos nunca serão vistos como prateados nessa Monarquia e sua esperança segue em mudar essa história. Apesar de muitos acharem a história uma mistura de Jogos Vorazes e Divergente, ouso dizer que lembra um pouco de A Guerra dos Tronos, pelo modo político de exercer o poder que tem em mãos e pelas "cartas jogadas à mesa" em favor próprio.

“O mundo é prateado, mas também cinza. Não existem o preto e o branco.” p.235

Victoria Aveyard traz uma história aparentemente comum, mas seu diferencial está no desenvolvimento que a história corre e o modo que transcreve isso, com pontas bem amarradas. Ninguém é confiável, os muros do palácio não serão suficientes para salvar qualquer um, muitos usam a revolução de fora para dentro, mas há os mais perspicazes que as usam de dentro para fora, e isso a autora desenvolveu muito bem. Bom, mais do que isso seria só spoiler, então me reservo a acabar essa resenha por aqui, mas, não sem antes dizer, que A Rainha Vermelha é completamente envolvente, intenso e porque não, imprevisível?! Indico a todos conhecer essa história de sangue e poder.


18 comentários

  1. Oi Tâmara, terminei de ler o segundo volume dessa série e estou gostando bastante. Claro que ainda prefiro este primeiro volume, especialmente por causa das apresentações da ambientação e dos personagens centrais. Concordo plenamente com você de que o diferencial está no desenvolvimento da trama. Não deixe de ler os outros volumes.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oi Tamara, esse livro, bem como a série em si, não me atraiu muito. Gosto de distopias, mas ainda não me animei para ler. Gostei da descrição que você fez da Mare, mas encontrei muitos pontos parecidos com as outras séries que você citou e isso me dá uma sensação de mais do mesmo. Enfim, talvez mais pra frente eu me interesse mais.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Já tem algum tempo que estou querendo ler esse livro, pois tenho visto muitos elogios nos blogs que acompanho, o que tem me deixado cada vez mais curiosa. Na verdade, quero acompanhar a série. Gosto bastante da premissa do livro. Há alguns anos não leio nada do gênero, embora goste bastante. Pretendo recomeçar por esta série.

    Tatiana

    ResponderExcluir
  4. Hello!
    Eu estava realmente curiosa sobre este livro e sua resenha fez eu me animar ainda mais. Esse é o meu tipo de livro, haha. Amo distopias! E com um toque de magia e fantasia, então...
    Embora vc tenha feito uma referência a HG, Divergente e GOT, eu consegui ver alguma coisa de A seleção nessa premissa, mesmo que seja bem de leve.

    ResponderExcluir
  5. Oiee ^^
    Nossa, como eu fiquei dividida com esse livro! Estava certa de que um tal personagem era o mocinho e já torcia para ele quando a autora me deu uma rasteira. Ainda não aceitei...kkk' Foi um dos melhores livros que eu li ano passado, e mal vejo a hora de ler a continuação (paradinha na estante, esperando a sua vez de ser lido ♥)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá Tâmara,
    Esse livro gera opiniões distintas e isso é bom, pois o leitor não fica na mesmice.
    Gostei muito da sua opinião, acho que está bastante completa e ela me deu uma boa ideia do que esperar dessa leitura. Acho que vou gostar da leitura, pois, como você disse, apesar de a história ser aparentemente comum, a autora parece que soube fazer diferente.
    Já dei uma subidinha no livro para as prioridades rs.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bom?
    Não sei o que pensar desse livro, é um livro que todo mundo amou/indica e sinto que serei a do contra/diferentona e odiar o livro. Posso estar enganada, espero realmente estar enganada. Mas fico feliz que tenha gostado do livro. Apesar de você ter feito referência a outros livros, acho que esse me lembra mais a série "A Seleção". Está na lista de desejados mesmo assim. Parabéns pela resenha.

    Beijos, Rob
    www.estantedarob.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Tâmara, tudo bem?
    Como uma amante de distopias, é claro que esse livro me interessa muito!
    Acho a premissa dele interessante e a capa está maravilhosa!
    Sua resenha está ótima e me deixou ainda mais curiosa para realizar essa leitura.
    Gostei de saber que o livro não foca muito no romance e que a Mare é uma personagem forte.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  9. Ola Tâmara estou com esse livro, adoro distopias e essa com a escrita singular da autora e muito bem elogiada me chamou atenção, mesmo tendo elementos fáceis de se ver em outros livros como resistência a desigualdade quero muito conhecer a escrita da autora. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  10. Oiii!

    Toda vez que vejo uma resenha positiva para essa obra eu fico pensando o pq eu não curti tanto o livro.
    Achei que tinha detalhes demias. Eu entendo que tinha que ter detalhes por ser o primeiro livro, mas não precisava de tantos. Fiquei um pouco cansada e a leitura não fluiu infelizmente.
    Mas fiquei feliz que você curtiu a obra e fez essa linda resenha! Vou ler o segundo para ver o que acho realmente da obra. Dizem que melhora bastante.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Oiiii

    Desenvolvi recentemente um caso de amor e ódio por essa série, odiei esse primeiro livro e até mesmo ia desistir dela mas aí li espada de vidro e achei que melhorou bastante. Meu problema com ela é que a Mere me irrita ela faz muita merda aí decorrer do livro. Mas te digo que se tu gostou desse vai amar o segundo.

    Bjos

    ResponderExcluir
  12. Olá,
    Sempre vejo boas resenhas sobre esse livro, mas ainda sim não tenho vontade de lê-lo, mais pelo meu gosto literário mesmo. Pela resenha notei mesmo que me lembra um pouco Jogos Vorazes e Divergente, mas bom sabe que o que dá um toque de diferente na história é o desenvolvimento. No momento acho que não leria a obra, mas quem sabe mais para frente? De qualquer forma, a resenha ficou ótima!
    Beijos.
    http://www.virandoamor.com/

    ResponderExcluir
  13. Amei essa distopia, o começo é intenso, e o final mais intenso ainda, me deixou louca pela continuação.
    Acho que tudo nessa narrativa foi bem desenvolvida, e a surpresa foi a melhor parte.
    Eu não fiz a comparação entre JV e divergente porque não li essas séries, mas ele me lembrou sim outras distopias, mas tem seu diferencial.
    A continuação está pra ser feita.

    Beijos.
    Leituras da Paty


    ResponderExcluir
  14. Oii, tudo bem?
    Desde o seu lançamentos, eu sempre ouço maravilhas a respeito desse livro, todos tem gostado. E fico feliz de saber que você não é exceção, me deixando ainda mais curiosa. Estou ansiosa para saber qual sera o destino da Mare, e quais são os poderes dela.

    ResponderExcluir
  15. Olá! Há tempos tenho desejado esse livro, pois estou cada vez mais apaixonada pelo gênero distópico. Adorei a proposta da autora ao criar a divisão através do sangue e fiquei curiosa para saber o que acontecerá com a protagonista. Seu comentário sobre o livro não ser focado em nenhum romance também me deixou ainda mais empolgada para me jogar no enredo apresentado por Victoria. Gostei de saber que a história é imprevisível e que nunca conseguimos descobrir o que realmente virá nas próximas páginas. *-*

    Beijos,
    Fernanda Goulart.

    ResponderExcluir
  16. Oi Tâmara, tudo jóia?
    Depois da resenha fiquei super instigada a ler. Estava numa fase que só estava lendo new adult e acho que está ficando tão clichê que resolvi mudar. Já vi muitas resenhas a respeito desse livro, e as opiniões são sempre diferente,só que a sua me chamou a atenção que apesar de você ter dito de não ter tanto romance (que é o que preciso por uns tempos kkk), é que ele me lembrou um pouco da história de Seleção, não me pergunte por que kk mais achei o início da resenha isso e me lembrou um pouco.Adoro livros de mocinhas que querem a mudança e vou dar um chance pra esse livro (dou créditos a você rsrs) . E agora tô louca pra ler. Ótima resenha :D
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Olá

    Adoro ver resenhas desse livro pois o amei bastante e cada vez vejo são impressões diferentes da minha. A sua é igual a minha. Esse final é muito bom mesmo e fiquei doidasso em ver todo desenrolar. Pra mim ele sempre foi mais falso que uma nota de 3 reais ahahhaha

    Everton Equipe Rillismo
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá, sabe que nunca me senti realmente interessada por esse livro? seilá mas histórias de distopias não chamam minha atenção e mesmo achando que esse livro tem uma premissa muito boa, não me deixa curiosa. Fico feliz em ver que você gostou do livro, talvez um dia eu dê uma chance a ele.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir