Resenha: Crônicas escolhidas Lima Barreto

Título: Crônicas escolhidas Lima Barreto 
Autor: Lima Barreto 
Editora: Ática 
Páginas: 158 
Ano Lançamento: 1995 
Sinopse: As crônicas de Lima Barreto são uma boa estrada para o leitor ser apresentado ao seu universo literário. Ali, já se delineiam as tintas de um escritor antenado aos fatos relevantes do mundo em que vive, como uma greve de bancários em Berlim, o lançamento de um livro de Monteiro Lobato e a morte da Princesa Isabel. Em suas crônicas, porém, se faz surgir, principalmente, um escritor antenado aos fatos menos relevantes do mundo, como o adultério de uma mulher e seu assassinato pelo marido, ou a passagem da carrocinha a caçar cachorros nas ruas. É justamente no denominador comum, na tênue fronteira, entre o relevante e o irrelevante, que se revelam o estilo e a inteligência barreteanos. É deste encontro que nascerão os personagens principais de sua ficção: Isaías Caminha e Policarpo Quaresma. 

Análise: 

Lima Barreto é o autor do clássico nacional “ Triste fim de Policarpo Quaresma”, Lima Barreto também foi contista, cronista e romancista. Na obra “Crônicas escolhidas”, observamos os aspectos do século XX pelos olhos desse grande escritor.
 “Para mim, tal instituições como outras coisas são absolutamente coisas quiméricas. Pág 53.” 
Esse livro foi um achado, pois a edição é de 1995 e creio que o leitor possa achar em algum sebo. A obra como um todo é composta de dezenas de crônicas das quais ele faz várias referencias e até mesmo críticas ao governo do Rio de Janeiro. 
“Já houve que dissesse por aí que o Rio de Janeiro é a cidade das explosões. Pág 81.” 
Lima Barreto em algumas crônicas faz menção de outros escritores como Monteiro Lobato e cita a cultura caipira do interior de São Paulo.
 “É assim o governo seduz, corrompe e depois... uma semi cadeia. Pág 96.” 
O autor vai à contra mão da sociedade na época, pois naquele tempo todos os brasileiros tentavam se igualar com tudo que provinha da Europa, o autor mostra em suas crônicas o inverso com um olhar clínico de quem nasceu, cresceu e viveu na pobreza, Lima Barreto descreve as mais diversas situações precárias do subúrbio do Rio de Janeiro.


Um comentário

  1. Oi, Rafael! Ainda não li esse livro, mas conheço a escrita do autor e gosto bastante. Pelo que já li, essa crítica em relação a sociedade está muito presente em toda a sua obra. Dica anotada para uma leitura futura!

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir