[Literatura,sua linda!] Pra falar a verdade...

E como toda a sexta-feira, teremos um bom texto para nos aproximar mais da literatura brasileira, uma boa indicação de leitura para o final de semana e algo para refletirmos também. Como bem dizia Albert Einstein:

"A leitura após certa idade distrai excessivamente o espírito humano das suas reflexões criadoras. Todo o homem que lê de mais, e usa o cérebro de menos, adquire a preguiça de pensar."



Eu creio que a leitura de um livro não pode ser apenas um habito, um costume para passar o tempo enquanto vai ao trabalho. A leitura tem que agregar, empoderarmos, nos fazer pensar e nos melhorar!
Por tanto falaremos "A VERDADE" de Drummond. Um farmacêutico por obrigação, um caipira "bulinado" por anos, como todos os mineirinhos que chegavam ao Rio de Janeiro.
Um menino acima da media que de tão sabido, passou parte da vida tentando se encaixar ao padrão mediocre do povo  da sua geração... Quando não conseguiu mais "esconder o sol dentro de um vaso" se tornou o maior poeta de todos os tempos. O principal nome do modernismo! Sacuiu o século XX e simplesmente brilhou a sua verdade... O seu dom... Fez-se poesia!



VERDADE

A porta da verdade estava aberta, 
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.

E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os dois meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram a um lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos. 
Era dividida em duas metades,
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
As duas eram totalmente belas.
Mas carecia optar. Cada um optou conforme
seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

Carlos Drummond de Andrade ANDRADE. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.




Um texto a se pensar! Sobre nossos atos: qual está sendo a minha verdade? Ela está de acordo com o eu desejo que seja verdade na minha vida? Será que eu tento sempre impor a minha verdade? Eu respeito a verdade do outro? Eu reconheço vardadeiramente todas as minhas misérias?
Então #fikadik ;)

Desejo muito Drummond no seu final de semana!


Bjus


Mariane Helena


Um comentário

  1. Amei amei amei! Nunca tinha lido esse poema de Drummond e ele faz você refletir muito, sobre suas verdades e no que você acredita!
    "Todos tem suas próprias razões" <3
    Beijos e um ótimo final de semana!

    primaveraagidoce.blogspot.com

    ResponderExcluir