Resenha: O Reino das Vozes que não se Calam

Título: O reino das vozes que não se calam
Autoras: Carolina Munhóz e Sophia Abrahão
Editoras: Rocco
Ano: 2014
Páginas: 285

Sinopse: Em sua estreia na Rocco e marcando também a chegada do selo Fantástica, a escritora Carolina Munhóz, ganhadora do Prêmio Jovem Brasileiro por seu primeiro livro, A fada, apresenta O Reino das vozes que não se calam, escrito em parceria com a atriz e cantora Sophia Abrahão. Espécie de conto de fadas contemporâneo, em que um mundo mágico é palco para uma história de autoconhecimento e o poder dos sonhos, o romance conta a história de Sophie, uma garota cansada de sofrer com a indiferença das pessoas até descobrir um Reino onde seus talentos são reconhecidos. Cedo ou tarde, porém, ela terá que decidir entre a realidade e a fantasia, numa jornada repleta de descobertas e desafios.
Sophie é uma menina querida para a família, já na escola... Ela tem só uma amiga, Ana, que é uma garota super popular. Os amigos de Ana aturam Sophie, a pobrezinha nem sabe por que eles a odeiam tanto. (Eu acho que é pura inveja, já que ela é ruiva e magra rsrsrs)

Durante uma festa, Ana faz com que Sophie passe por uma situação super constrangedora, fazendo com que ela fique bem magoada com a amiga e indo embora imediatamente. Quando chega em casa, depois de chorar horrores, Sophie acaba adormecendo e indo parar em um mundo encantado.

Nesse mundo, todos a adoram e tudo está completamente ligado aos seus sentimentos. Eles precisam que ela esteja bem, para que tudo fique bem por lá também.

Eu, particularmente, não decidi se gosto ou não desse livro rsrsrs Em alguns momentos você percebe o sofrimento da pessoa que sofre bullying, em outros dá raiva, porque ela poderia muito bem sair de certa situação, mas ela se julga incapaz e prefere passar por aquilo.
Ninguém pode fazer outra pessoa feliz. Nós precisamos encontrar a nossa própria felicidade. Eu nunca achei que fosse digna de ser feliz. Esse sempre foi o grande problema. (Pág. 251)
Ok que é uma fantasia, mas eu achei que em alguns momentos foi apelativo. Mesmo assim ficou uma narrativa fofinha.

Acredito que seja indicado para adolescentes, é uma fase delicada e, às vezes, a leitura pode ajudar o jovem a entender tudo o que está acontecendo e pode acontecer.

Por hoje é isso! Um beijo, um queijo e até a próxima!



Um comentário

  1. Eu não gostei muuuito da sinopse do livro, gostei da capa quando lançou mas até hoje não tive muita vontade de ler, apesar de já me indicarem este livro.

    Beijos
    Forma de pagamento:

    ResponderExcluir