Resenha: A Menina Que Semeava

Título Original: Blue
Autora: Lou Aronica
Editora: Novo conceito
Ano: 2013
Páginas: 416

Sinopse: Chris Astor é um homem de seus quarenta e poucos anos que está passando pelo mais difícil trecho de sua vida. Ele tem uma filha, Becky, de 14 anos, que já passou imensas dificuldades até chegar a se tornar uma moça vibrante e alegre, mas que parece que terá que enfrentar mais um grande problema em sua vida. Quando Becky era pequena e teve câncer, Chris e ela inventaram um conto de fadas, uma fantasia infantil que adquiriu vida e tornou-se um terrível, provavelmente fatal, problema. Agora, Chris, Becky e Miea (a jovem rainha da fantasia criada por pai e filha) terão que desvendar um segredo: o segredo de por que seus mundos de fantasia e realidade se juntaram neste momento. O segredo para o propósito disso tudo. O segredo para o futuro. É um segredo que, se descoberto, irá redefinir a mente de todos eles.A menina que semeava é um romance de esforço e esperança, invenção e redescoberta. Ele pode muito bem levá-lo a algum lugar que você nunca imaginou que existisse. Uma fantasia que trabalha assuntos densos como a separação dos pais, oncologia infantil, separação de filha e pai, adolescência. A menina que semeava não é um livro sobre adolescentes comuns. É sobre uma que se deparou prematuramente com a ameaça do fim e teve de tentar aprender a lidar com ele.

Enrolei meses para ler esse livro, algumas vezes por preferir outras leituras e outras por achar que ele continha muitas páginas para o momento. Vencendo a preguiça, peguei o livro e me encantei pela história criada por Aronica.

Becky é uma adolescente de quatorze anos que tenta viver de maneira normal depois de passar bela batalha da leucemia. Quando o câncer apareceu aos cinco anos de idade, Chris Astor, pai de Becky, resolveu criar um mundo de fantasia para ajudar a filha a passar por esse momento difícil, e conseguiu. Por muitas noites os dois passavam tempos conversando e criando o Reino de Tamarisk, com todos os detalhes possíveis, com suas cores diferentes, animais falantes, uma linda princesa e seu reinado. Mas agora a situação era diferente, seus pais haviam se divorciado, sua relação com o pai não era mais a mesma e falar sobre Tamarisk outra vez estava fora de cogitação, até porque, Becky resolveu punir o seu pai na coisa que mais gostava de fazer com ela, desenvolver o mundo Tamariskano.

"Mas Chris sabia que jamais pediria o divórcio. Não era uma questão de querer "ficar juntos por causa da filha". A questão era que ele não queria passar nenhuma noite longe da filha. [..] E ele queria que Becky soubesse que estaria sempre disponível para ela." p.24

Após a separação dos pais de Becky, Chris e Polly não tinham uma relação cordial, e Becky nunca entendeu o porque de seu pai ser fechado e guardar todos os seus sentimentos. Já haviam se passado 4 anos e enquanto Polly seguiu com o seu novo amor, Al, Chris ainda vivia em seu casulo. Isso claro vemos pelo ponto de vista de Becky, mas quando olhamos o ponto de vista de Chris, percebemos que tudo o que fez até aqui, foi única e exclusivamente para não magoar Becky, preferiu esconder seus sentimentos para que a filha percebesse que tudo estava bem. Coisa que realmente não aconteceu.

Apesar de seu relacionamento conturbado com o Pai, Becky sempre ficava em sua companhia nos dias programados, e estava tudo bem assim, pelo menos até sentir tonteiras e cansaços novamente, ela não queria acreditar na possibilidade de seu câncer ter voltado. Tentando fugir do que parecia ser certo, Becky continuou levando a sua vida como sempre, pelo menos tentou. Até um dia em que ao dormir na casa do pai, na sua cama que sempre lhe acompanhou desde a infância, Becky é levada a Tamarisk.

"Becky sentiu seu pensamento voar para longe no meio da conversa e voltar para onde - qualquer que fosse o lugar - ela tinha encontrado com Miea na noite passada. Aquele encontro havia sido, com certeza, a experiência mais bizarra da sua vida, mas também foi a mais incrível. Afinal de contas, não é todo dia que você descobre a existência de outro mundo." p.111

Tamarisk sempre pareceu fictício, não era possível que o mundo que criará com o pai tenha virado realidade. Mas o reinado estava mudado, mutos anos haviam se passado desde que deixou de criar os dias desse reino. Após se ambientar e ter uma conversa com a rainha, antes princesa, Miea, Becky não poderia ter ido a sua criação em hora mais apropriada. Tamarisk estava passando por sérios problemas com as suas plantações e se continuasse assim, todo o reinado poderia ser destruído por uma estranha doença que havia cometido as plantações, o coração de Tamarisk.



Eu me apaixonei por essa história. O livro traz vários pontos de vistas, não identificado, mas o leitor não encontrará dificuldade em perceber quem está narrando a história. Você se depara com os medos e a revolta de Becky, os sentimentos puros de Chris em relação a sua filha, todo o reinado de Tamarisk assim com os seus problemas através de Miea e em alguns momentos, Gage entra na história como forma de ligação entre o mundo real e o mundo fictício.

O livro é repleto de momentos emocionantes. Há o resgate do amor familiar em meio aos momentos difíceis e também até onde estará disposto a abrir mão da sua felicidade em favor da felicidade de quem ama. Temas como solidão e superação também estão na trama, e são desenvolvidas de maneira simples e significativa. Por mais que seja uma fantasia, é impossível não fazer analogias com o mundo real, o livro traz muitos momentos de reflexão entre o mundo real e o mundo de Tamarisk.

Por mais que existam diversas opiniões sobre esse livro, o que eu posso dizer é que o livro irá proporcionar uma leitura agradável e reflexiva, por tanto, leia e tire as suas próprias conclusões.














7 comentários

  1. Esse livro parece muito, muito interessante. Eu fiquei encantada, ele parece muito bom. Amei a resenha.

    The Lord of Thrones

    ResponderExcluir
  2. Oi Tâmara tudo bem? eu amo leituras reflexivas, sempre as intercalo com algum romance mais leve, gostei muito da premissa do livro, não o conhecia, a editora fez um ótimo trabalho com capa e bootrailer, tornou tudo mais instigante.

    DIca mais do que anotada!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  3. Ai Tâmara, eu li o livro assim que recebi e me encantei por ele. Sabia o que ela sofria e achei linda a história. Realmente me emocionou muito e a fantasia criada é de uma inteligência enorme.

    Beijos

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  4. Ola.. Tudo bem? Nunca nem tinha ouvido falar dele .
    Pela sua resenha o livro parece ser bme interessante..
    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oiee ^^
    Eu também enrolei bastante para ler esse livro, e só o li porque encaixei numa maratona. Gostei até, mas achei que faltou um pouco mais de drama, a personagem estava super doente e quase não parecia *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Uau, essa me parece ser uma ótima história.
    Eu conhecia o livro mas nunca havia lido a sinopse e agora, adorei sua resenha detalhada. Aliás, a Marina Avila, capista desse livro, deu uma entrevista para o meu blog. Caso deseje, venha visitar. :)
    Bjs
    Lu
    http://sem-spoiler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Tâmara! Tudo bem? Lembro que quando esse livro foi lançado, automaticamente ele entrou na minha lista de desejados pela capa que é linda! Depois disso as resenhas foram saindo e li tantas opiniões diferentes sobre a história que eu já não sabia mais o que esperar com relação a trama, o tempo passou e aí que eu me esqueci completamente do livro. A premissa é interessante e imagino que seja emocionante também, por tratar de assuntos como relações familiares, solidão e superação, tenho certeza de que a história ira me prender! Curti a resenha e espero poder ter o meu exemplar logo, logo! Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir