Juntas, porém separadas: Como eu era antes de você



Uma das coisas mais gostosas na vida de um leitor é ler o mesmo livro que outra pessoa, um amigo ou colega, está lendo. Poder compartilhar sensações e pensamentos acerca da leitura, comentar suas falas favoritas, entre outras coisas, ao decorrer da história. Então assim surgiu o Juntas, porém separadas, uma das minhas colunas favoritas aqui no blog. A ideia de poder ler o mesmo livro que outra pessoa também está lendo a quilômetros de distância e depois poder falar aqui no blog sobre como foi a leitura e discutir opiniões acerca de tudo, torna essa experiência maravilhosa. Então, bom, deixando de mimimi, vamos falar do nosso Juntas, porém separadas da vez. O livro escolhido foi Como eu era antes de você, da Jojo Moyes, lançado no ano passado pela editora Intrínseca. Quem participou da "brincadeira" dessa vez foram nossas três blogueiras: Carol, May e Tammy.


Dados Técnicos do livro:

Título Original: Me Before You
Edição: 1
ISBN: 9788580573299
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 320


Então,vamos ao que a Carol tem a nos dizer sobre o livro:

Mini-resenha:

O livro começa com o acidente que deixa Will, um CEO de sucesso que adora aventuras como escalar e saltar de bungee jump, tetraplégico. Logo em seguida, conhecemos Louisa, Lou, que narra tudo em 1ª pessoa. Ela acabou de perder emprego no café onde trabalhava há anos e precisa arrumar um emprego. Lou não tem planos para o futuro ou objetivos. Ela apenas precisa de um emprego para ajudar a sustentar sua família, que depende de sua renda.

Nessa procura por um emprego, é oferecido para Lou o cargo de cuidadora. Uma tarefa fácil, que não requer qualificação e que paga um bom salário. Ela exita a principio, mas acaba aceitando. Mas logo no primeiro dia de trabalho as coisas não são fáceis. Will se mostra amargurado e fechado. E o emprego que parecia fácil se torna difícil. Lou então se vê na missão de conseguir quebrar o gelo e se aproximar de Will, lhe mostrando que a vida pode ser boa mesmo em uma cadeira de rodas. Mas fazer isso não é tão simples quanto parece. Eles passam por momentos bons e ruins, mas descobrem que mesmo com todas as limitações, o amor pode aparecer em sua forma mais pura.

Comentários sobre o livro:

Bom, antes mesmo de iniciar a leitura, quando li a sinopse, já imaginei que seria um livro que iria me fazer refletir e chorar. Gosto de livros assim. Acho que autores tem o poder de nos alertar para diversas coisas as quais não damos importância e os tetraplégicos, são grande exemplo disso. Assumo que no meu cotidiano, nunca parei para pensar e observar como falta suporte e infraestrutura para eles e após ler o livro, fiquei mais ciente disso.

Outra coisa que o livro também me fez refletir foi quanto a tristeza que aflige essas pessoas e também quem está ao seu redor. Quando nos deparamos com a situação da mãe de Will, o vendo ali, deprimido, dependendo de uma pessoa para lhe dar banho, comida e tudo o mais. Ou quando nos deparamos com o próprio Will... Não seria injusto julgá-lo por ter se tornado uma pessoa amarga? Você no lugar dele também não estaria assim? Então, desta forma o livro me levou a refletir muito, muito mesmo. Mas também me fez pensar que a vida pode ser boa, se você tem alguém que te ama e que ajuda, talvez valha a pena viver.

Três palavras que podem definir o livro:

 Emocionante, verdadeiro e reflexivo.


Quote favorita:
Reparei que ele parecia determinado a não lembrar em nada com o homem que tinha sido; (...). Seus olhos cinzentos tinham marcas de cansaço ou do desconforto que ele sentia o tempo todo (...). Eles levavam o olhar vazio de alguém que está sempre alguns passos afastado do mundo a seu redor. Às vezes, eu me perguntava se aquilo não era um mecanismo de defesa de Will, já que a única maneira que encontrou de lidar com sua vida foi fingir que não era com ele que aquelas coisas estavam acontecendo.
Classificação:





O que a Tammy tem a nos dizer sobre o livro:

Mini-resenha:

Louisa Clark ou simplesmente Lou, é uma jovem de 26 anos que não tem muitas ambições na vida, vive de maneira confortável com o seu emprego de garçonete, morando com os seus pais, irmã, sobrinho e um avô que precisa de cuidados constantemente, além de namorar há 6 anos com Patrick, um cara que por ser esportista, é obcecado pela forma física. Até que um dia, o café onde trabalhava fechou e ela se viu desempregada e com uma família que dependia de sua renda. Como uma forma de se recolocar no mercado, Lou procurou por oportunidades mas por não ter qualificações suficientes, acabou aceitando ser cuidadora do tetraplégico Will, durante 6 meses. Lou nunca foi de reclamar muito da vida, até amava o seu emprego como garçonete, mas ser cuidadora, não estava na lista de possibilidades se dependesse dela. Mas, encarou o desafio.

Não foi tão difícil se adaptar ao novo emprego, a pior parte era o fato de Will ser um mal humorado que não lhe dava chance de aproximação. Com o tempo, Will começou a relaxar mais, permitindo que Lou começasse a conhecê-lo melhor. A partir daí, o relacionamento deles vai se desenvolvendo. Will passa a incentivar Lou a ser mais do que é, acredita em seu potencial e lhe dá conselhos do quanto é importante ter objetivos e conquistá-los. Já Lou, depois de conhecer melhor Will, só pensa em fazer o melhor para ele, lhe proporcionando momentos alegres, para que ele não se foque somente em seu estado e na dor que ele causa.

Comentários sobre o livro:

O livro aborda um assunto polemico, mas a autora o fez com excelência. Trouxe ao leitor a oportunidade de analisar os dois lados da moeda de uma pessoa que é tetraplégica. A riqueza de como Moyes descreve os personagens de Will e Lou te coloca no meio do drama e você começa a conhecer o intimo dos personagens e entendendo a posição de ambos. Não é fácil, devo dizer. Em primeiro momento podemos até julgar a forma de pensar de Will e conforme a história é narrada, compreendemos a sua decisão, mesmo não concordando com ela, pelo menos eu não concordo. O amor entre eles nasce de maneira pura e apesar de Will encarar a sua situação como o fim, consegue enxergar a pureza desse sentimento que lhe traz felicidades em tempos difíceis.

Lou demonstra que o amor pode surgir em situações improváveis e até fora do padrão por muitos olhares, e foi isso que gostei na história, pois trouxer como o verdadeiro sentimento ultrapassa a barreira do que ideal e aceitável perante a sociedade. Não ligando para julgamentos, querendo viver somente os seus sentimentos. O livro nos faz refletir pelos diversos pontos de vista, tanto dos personagens principais quanto a família de ambos. É impossível você não se identificar com alguma das partes.

Três palavras que podem definir o livro:

Apaixonante, reflexivo e comovente.

Quote favorita:
Ser atirada para dentro de uma vida totalmente diferente - ou, pelo menos, jogada com tanta força na vida de outra pessoa a ponto de parecer bater com a cara na janela dela - obriga a repensar a ideia a respeito de quem você é. Ou sobre como os outros o veem.


Classificação:





E, por fim, vamos conferir as considerações da May:

Mini-resenha:

Tendo ficado por último, fica um pouco difícil resumir os acontecimentos do livro sem muita repetição. Mas o que tenho a dizer é que este livro conta a história de duas pessoas que vivem vidas distintas, têm personalidades, expectativas e pensamentos diferentes... Mas, como o destino é irônico, acaba unindo essas duas pessoas através de um acidente e tornando Will um tetraplégico e Louisa sua cuidadora. A partir de então, muitas coisas acontecem, polêmicas surgem e muitas vidas sofrem impactos... inclusive a do leitor que acompanha tudo isso.

Comentários sobre o livro:

Livros impactantes me perseguem. Está bem, talvez eu que os procure, involuntariamente. Mas o fato é que durante uma conversa no WhatsApp com a Tammy e a Carol, Como Eu Era Antes de Você entrou no assunto e foi proposto um JPS. Na época, li a sinopse do livro e fiquei empolgada, aceitando a proposta para o nosso primeiro JPS em trio.

Confesso que quando peguei o livro efetivamente para ler, já não me lembrava mais da sinopse e, como uma brincadeira comigo mesma, decidi que leria assim mesmo, às cegas, sem lembrar do contexto em que se passava. E, aos poucos, fui me surpreendendo. A leitura fluiu de uma maneira ótima, a narrativa da Jojo Moyes é incrível e o tema abordado, então... fascinante. Eu arrisco dizer que esse livro, além das dificuldades da tetraplegia, aborda também o amor. Fica difícil não se sentir tocado, não refletir, não se colocar no lugar dos personagens e se perguntar: "Mas eu, nesta condição, tomaria esta decisão?". É um livro triste, mas lindo. Polêmico, mas encantador. Todos deveriam lê-lo.

Três palavras que podem definir o livro:

Polêmico, marcante, reflexivo.

Quote favorita:

Encostei a cabeça em seu peito, deixando meu corpo absorver aquele suave subir e descer. [...] Tentei não pensar em nada. Tentei apenas ficar ali, absorver o homem que eu amava por osmose, guardar em mim o que sobrava dele.

Classificação:


Pois bem galera, é isso. Nós três indicamos o livro para todos, afinal é uma linda e comovente história que vale a pena ser lida. Quem já leu, nos diga o que achou!

Beijinhos.

8 comentários

  1. Amei a ideia do post. E ótimo saber as opiniões ;)
    Eu ainda n li esse livro mas sei q vou amar!!

    Forever a Bookaholic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é surpreendente bom, Camylla. Tenho certeza que você vai se apaixonar por essa história como nós nos apaixonamos.

      Excluir
  2. Eu sou imensamente apaixonada por esse livro, já tinha feito uma resenha no meu blog e não me canso de falar sobre ele kkk é super legal quando alguém gosta do mesmo livro que nós. Com certeza esse livro é emocionante, mesmo sabendo o que vai acontecer, você ainda tem esperança de que mude...
    Amei a resenha, e adorei essa coluna, além de criativa é super interessante.

    Beijos
    livroscomchadatres.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro também me emocionou muito. Me vi torcendo para que tudo desse certo no final.
      Vou dar uma passadinha no seu blog para ver a sua resenha.

      Bjim, Letícia

      Excluir
  3. Achei lindo o post :)
    E como comentei com a Tammy no Instagram, estou com esse livro uns três meses na minha estante. Já iniciei a leituras, mas não terminei porque sei que vou ficar com uma ressaca literária das grandes.
    Antes do meu livro chegar fui dar uma olhada pela net, e adivinhem com o que me deparei... Com a bendita carta. Depois que terminei de ler a carta já não estava me aguentando de tanto chorar rs
    Agora sempre que inicio a leitura, lembro da carta e começo a chorar, e olha é toda vez mesmo... Por isso venho adiando a leitura, mas quero em breve terminar de lê-lo.
    Beijos meninas, amei a postagem.
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk, tive dificuldade de ler a carta por causa das lágrimas. Mas vale a pena ler toda a história, você vai continuar chorando, sim, mas vai valer a pena.

      Excluir
  4. Esse livro é apaixonante, me lembro quando a Letícia me indicou e sem nem ler a sinopse fui lê-lo e amei, agora vendo a resenha de vocês, vejo que as sensações que o livro me transmitiu se perpetuou entre vocês <3 Estou ansiosa para ler outros livros da Jojo Moyes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou louca para ler outros livros da autora, mesmo com todas as lágrimas que esse livro me arrancou, simplesmente me apaixonei por ele.

      Excluir