Resenha: Insurgente

Título Original: Insurgent

Autora: Veronica Roth

Editora: Rocco

Páginas: 512

Ano: 2013

Avaliação:  

Sinopse: Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama – e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.


Hoje vamos falar de Insurgente, segundo livro da trilogia Divergente.

Para começar, só tenho a dizer que fiquei completamente maluca com o final desse livro, deu vontade de literalmente jogar o livro na parede por ter acabado em um momento tão BAM! Aguardando cada dia para ler Convergente.

O livro começa exatamente onde Divergente acabou. Onde vários questionamentos ficaram em aberto sobre como aconteceu a simulação organizada pela Jeanine.

Após a simulação, Beatrice, Tobias e companhia procuram a sede da Amizade para passar um tempo enquanto resolvem o que farão em seguida. A mente de Beatrice trabalha constantemente para saber como resolver essa situação além de lutar com o seu senso de justiça que algumas vezes me deixou irritada durante a leitura. Mas, no momento em que me ponho em seu lugar, passo a compreender o porquê de sua briga interna, noto que seria ilógico por parte da autora deixar a personagem forte por completo depois de tudo pelo que passou, o que se torna compreensivo certas atitudes de Beatrice.

Como seria bom se a vida funcionasse assim, livrando-nos da nossa sujeira e nos devolvendo, limpos, para o mundo. Mas certas sujeiras parecem destinadas a durar. (ROTH, 2013, p.51) 

Passamos a conhecer como é o funcionamento dos sem facção e percebemos que eles não ficaram parados só esperando pela caridade durante todo esse tempo. É mostrado um mundo completamente diferente onde a importância do seu papel nos faz ver que eles não são os descartáveis e coitadinhos que pensávamos.

As facções Amizade e Franqueza são mais exploradas e nos fazem presenciar quais são os seus papéis durante todo esse conflito que acontece. E quanto à Erudição, passamos a conhecer como é o pensamento de sua líder, e o quanto doentia é, para guardar o segredo que a Abnegação estava disposta a compartilhar às facções. Causa de tanta morte durante Divergente.

Você está tão disposto a preservar seu conforto que seu egoísmo está destruindo sua humanidade. (ROTH, 2013, p.464)


Insurgente traz um clima mais sombrio, as lutas são constantes, caos a todo instante. Quando você pensa que o clima ficará ameno, surgem novos fatos e ações e você percebe que ninguém está a salvo. Alguns novos personagens aparecem para dar ritmo à história, a partir disso, você é minado de interrogações e expressões do tipo “Como assim? Não acredito!”. A leitura conserva seu ritmo, descobertas, mentiras e traições trazem momentos que você não irá querer tirar o olho do livro para saber o que acontecerá em seguida, onde, ninguém é confiável com a sua aparente sinceridade. E isso, com certeza você verá muito no livro.

Descobri que as pessoas são compostas de camadas e mais camadas de segredos. Você pode achar que as conhece, que as entende, mas seus motivos estão sempre ocultos, enterrados em seus próprios corações. Você nunca as conhecerá de verdade, mas às vezes decide confiar nelas. (ROTH, 2013, p.494)

Os personagens, como esperado, evoluem, de dentro para fora. Alguns mais traumáticos do que o outro, tendo que enfrentar toda perda, traumas e desconfianças que surgiram durante a sua vida. Nesse momento, encontramos um Beatrice caminhando em corda bamba e um Tobias decidido a enfrentar o seu medo e seguir frente, mas que de alguma maneira, conseguem se encontrar no final, aprendendo com os seus erros e fortificando o amor um pelo outro.

Quando ele me toca, o sentimento de vazio no meu peito e estômago torna-se quase imperceptível. (ROTH, 2013, p.20)

E falando em final, QUE FINAL FOI ESSE! Senti que a história terminou literalmente no ápice do livro, e você fica com uma cara de retardado ou querendo “socar” o livro para entender porque ele tinha que terminar JUSTAMENTE ALI. É muita maldade Verônica. MUITA MALDADE!

Como um animal selvagem, a verdade é poderosa demais para ser mantida aprisionada. (ROTH, 2013, p.7)

Espero que tenham gostado da resenha. Deixem seus comentários sobre o que acharam do livro.
Para quem ainda não conhece esse trilogia, vale muito a pena reservar um espaço para a lê-los esse ano. Tenho certeza que irá te surpreender!!!
Para deixar vocês com um gostinho de quero mais, coloquei o book trailer.

Bjim!!!





2 comentários

  1. Espero comprar Insurgente esse fim de semana Tammy! Estou ansiosa também por Convergente, muitas expectativas hihi
    Beijos (:
    oquedevoro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi adorei sua resenha...mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...Há a capa do livro é linda, ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem..busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir