Autor em Destaque: Meg Cabot

Olá Livreadores!
Como vão as coisas? Tudo o.k. com as leituras? Espero que sim!

Bom, hoje é dia de mais um Autor em Destaque! E bom, há algum tempo já eu venho querendo fazer o Autor em Destaque sobre essa autora que é aclamada pelas crítica. Seus livros sempre estão sempre entre os mais vendidos (mesmo sendo um pouco "caros" por assim dizer) e ela é considerada por alguns a rainha dos chick lits, sim, estou falando dela: Meg Cabot!



Nome: Meggin Patricia Cabot
Nascimento: 1 de fevereiro de 1967 (46 anos). Bloomington, Indiana, Estados Unidos.
Nacionalidade: Estadunidense
Gênero: Fantasia, Romance, Aventura e Chick Lit.



Biografia:
Desde bem cedo Meg gostava de passar horas a fio a ler as obras completas de Jane Austen, Judy Blume e Barbara Cartland. Quando conquistou seu diploma de graduação em Artes na Universidade de Indiana, Meg mudou-se para Nova Iorque, com a intenção de seguir uma carreira de ilustradora autônoma. A ilustração, entretanto, logo cedeu lugar para sua verdadeira paixão: escrever. Ela então a deixou sua ocupação de ilustradora e arrumou um emprego de assistente administrativa num alojamento de estudantes universitários na New York University, e sempre que tinha uma oportunidade aproveitava para escrever.
Inicialmente ele usava o pseudônimo de "Patrícia Cabot" para assinar suas primeiras novelas históricas.
Ela escreveu o 1º livro (com um final) e começou a mandar o manuscrito para as editoras e ver se conseguia publicar. Durante um ano (ou mais), a resposta foi só uma: “NÃO!”. Uma editora reclamou que o livro tinha mais referências aos BackStreet Boys do que a biografia dos BSB. Outra, uma das grandes, chegou a escrever que aquele livro não era apropriado para jovens nem para NINGUÉM! Meg ri deles agora.

As cartas de rejeição continuavam a chegar quando, um dia, toca o telefone:

- Oi! Eu recebi o seu manuscrito. Tem bastante BSB nele...
- Ah, tá... Sei... – Meg respondeu já desanimada.
- Eu ADORO os BSB! Vou publicar!
- Sério? Não acredito! Que ótimo! (...) Mas então, eu tava pensando em fazer uma série...de tipo uns 10 livros...
- Hã? Tá maluca? A gente é uma editora pequena, não tem esse dinheiro todo não!

Eles publicavam. Mas só um. Felizmente, a editora da Inglaterra resolve publicar mais que um. Mas só três. (Por isso que o final do 3 parece que está acabando. Porque até então, era ali que acabava mesmo.)

Então, a agente de Cabot consegue vender o livro para uma produtora para ser transformado em filme. A produtora em questão era ninguém menos que Whitney Houston e ia trabalhar em nenhum lugar senão os estúdios Disney e foi aí que Meg Emplacou rumo ao sucesso. após o lançamento do filme o interesse pelos livros da autora foram só aumentando até ela virar o sucesso que é hoje.


Adaptações para o Cinema:
Os direitos do livro O diário da princesa foram vendidos à Walt Disney que lançou em Agosto de 2001 um longa baseado no livro. Uma sequência do filme até foi feita e lançada em 2004, mas esta foi baseada numa história original escrita pela Disney e recebeu o nome de: O diário da princesa 2  (originalmente The Princess Diaries 2: Royal Engagement).
Os direitos de filmagem das séries A Garota Americana (All-American Girle A mediadora (The Mediatortambém foram vendidos para a Disney.



Curiosidades:
  • Meg se casou no dia 1 de abril de 1993, o "April Fool´s Day" (dia dos tolos, ou dia da mentira, como é conhecido no Brasil) a escolha da data foi uma brincadeira de Meg, pois seu marido tinha uma crença de que só os tolos se casam. O casamento ocorreu durante uma fuga para a Itália, e o romance "Todo Garoto Tem" é vagamente inspirado nessa história.
  • Quando veio ao Brasil Meg declarou ser super fã da autora Clarice Lispector e ainda recomendou uma da seus obras.
  • Meg gosta de colocar bastante comédia em seus livros e quando questionada porque a resposta é simples e rápida: "De drama, já basta a realidade".
  • Ela é bem autobiográfica e todos seus livros e personagens são baseados, de alguma forma, em coisas que viveu. Por exemplo, não é um mero acaso que Mia Thermopolis seja uma adolescente comum que se sente feia por ser a mais alta da turma, é vegetariana, rói as unhas, odeia matemática e começa a escrever um diário porque fica revoltada quando fica sabendo que sua mãe está namorando o seu professor de... Álgebra! Meg também era a mais alta da turma, odiava matemática e roía unhas. E sua mãe também namorou com seu professor, só que na real life isso aconteceu quando Meg já tinha 30 anos e foi essa experiência que a motivou a escrever O Diário da Princesa.

Bom galerinha, é isso. Existe muito material sobre a autora, mas para o post não ficar muito logo selecionei apenas aquilo que achei interessante. Enfim, espero que tenham gostado e não se esqueçam de deixar os seus comentários! Ah, e se alguém quiser sugerir algum autor para fazermos a coluna é só deixar comentário, mandar por email ou nas redes sociais. Obrigada e até a próxima!




Um comentário

  1. Oi Carol,
    Adorei a sua escolha! Sou apaixonada pelo Diário da Princesa desde pequena, rs.
    Tudo começou com o filme, e depois que descobri que existiam livros, eu devorei todos eles em 5 dias haha.
    Agora fez sentido o porque de o terceiro parecer que era o fim.. Legal saber toda a história dela, como ela batalhou para conseguir publicar e tudo o mais. As editoras devem estar muito arrependidas agora.
    Parabéns pelo post, está muto bem escrito!

    depoisdeumlivro.blogspot.com
    espero a sua visita (:

    ResponderExcluir