Resenha: As vantagens de ser invisível

Oi galera, aqui é o Lucas Mendes e hoje, eu vou falar sobre um dos melhores livros que li este ano. Foram vários, claro, mas este deixou uma marca e teve um enorme significado pra mim. Nada mais é, que a pequena obra de Stephen Chbosky, As vantagens de ser invisível




Título original: The Perks of being a Wallflower 

Autor: Stephen Chbosky

Editora: Rocco Jovens Leitores

Páginas: 224

Avaliação: 


Sinopse: Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, As vantagens de ser invisível reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.

As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir “infinito” ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.

Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.

***

Muitas pessoas já tinham me indicado este livro que foi lançado a muito tempo, porém tornou-se mais conhecido após a adaptação literária que, para a nossa alegria, foi dirigido pelo próprio autor que também é roteirista. 

Eu optei por ler o livro primeiro e, sinceramente, eu adorei a história

A princípio eu achei que fosse me deparar com um personagem nerd, sem vida social e melancólico, mas para a minha surpresa, Charlie é tudo isso que eu citei e mais um pouco, haha. Uma das coisas que eu achei genial da parte do autor, foi o fato de que, apesar do livro inteiro ser narrado por meio das cartas, o leitor conhece abertamente a personalidade do protagonista, mesmo não tendo noção de onde ele mora, ou outras informações que acabam sendo triviais. 

Charlie é um garoto de quinze anos, que não possui amigos - seu melhor amigo morrera - então ele não tem com quem contar. Seu "refúgio" seria as cartas que ele escreve diariamente, para um amigo que não sabemos quem é, e não sabemos se ele realmente as destina. Eu particularmente, as considero um diário pessoal dele. 

Primeiro ano do ensino médio, conflitos, inseguranças, dramas, solidão... Tudo isso envolve a vida de Charlie. Sua irmã é veterana no colégio, mas não dá a mínima pra ele, pois a turma dos mais velhos não pode andar com os calouros. Isso acontece, até Patrick e Sam aparecerem na vida dele.

Ambos são meio-irmãos e já estão terminando o ensino médio, mas isso não os impede de construir com Charlie, um grande vínculo. Estou falando de amizade verdadeira. 

A vida de Charlie muda demais quando faz amizade com os dois, ele passa a viver intensamente a juventude e compreende a verdadeira essência desta fase maravilhosa: a necessidade de ser "infinito", a nostalgia. 

Eu nunca me identifiquei tanto com um personagem na minha vida, sério. Parece que ele é real, que a qualquer momento eu vou barrar com ele em algum lugar. 


Então esta é minha vida. E quero que você saiba que sou feliz e triste ao mesmo tempo, e ainda estou tentando entender como posso ser assim.


Ok, espero que a resenha influencie você a ler este livro fantástico e que ele possa surtir o mesmo efeito, assim como foi comigo. O livro é bem pequeno (li em um dia),então não dá pra contar muita coisa, se não perde a graça. 

Abraços,
















Ps: Esta é a capa original, e quem me conhece sabe que eu prefiro capas originalmente originais (lol), mas eu preferi a capa do filme, que ficou muito linda cara! 


10 comentários:

  1. Acredita que eu ainda não li esse livro? Todo mundo adora esse livro, espero gostar tbm!
    Já sigo aqui amor, poderia fazer uma visita ao meu blog?
    http://pomardoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro muito bom e bem gostoso de ler Natalia!

      Obrigado! Pode deixar que eu vou dar uma passada lá, sim ;)

      Excluir
  2. Comprei ele domingo, estou ansiosíssima para lê-lo :3

    ResponderExcluir
  3. Heyy,adorei sua resenha, quero muito ler esse livro. *--*
    Já vi o filme e gostei muito,tomara q eu goste do livro do mesmo jeito!

    =D Adorei o blog, e estou seguindo!
    Bjs bjs bjs Mih!
    Paradise Books
    @ParadiseBooksBr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Eu também adorei o filme, mas o livro é muito melhor (:

      Obrigado!

      Excluir
  4. Acho a capa original mil vezes melhor que a do filme ahahha aliás, é a que eu tenho! Se você visse a original ao vivo tenho certeza que ia mudar de idéia, ela tem uma parte em auto relevo.

    Beijos
    Débora - Clube das 6

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau! Isso eu não sabia. :l

      Eu gosto das duas capas, mas achei a adaptada muito bonita...

      Ps: Agora eu quero o exemplar com a capa original, haha.

      Excluir
  5. Charlie ♥♥♥ Essa sensação de achar que podemos esbarrar com ele em qualquer lugar é realmente verdadeira, e meu sonho encontrar um Charlie no meio da rua, no ponto do ônibus, seria uma ótima amizade né? hahahaha Eu adorei a leitura e sua resenha ficou ótima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, é verdade..

      O Charlie é muito único, e adoro o personagem que ele é!

      Obrigado! (:

      Excluir



Topo