Resenha: Caraval

Título Original: Caraval | Autora: Stephenie Garber
Editora: Novo Conceito | Ano: 2017 | Páginas: 400
Sinopse: Scarlett nunca saiu da pequena ilha onde ela e sua irmã, Donatella, vivem com seu cruel e poderoso pai, o Governador Dragna. Desde criança, Scarlett sonha em conhecer o Mestre Lenda do Caraval, e por isso chegou a escrever cartas a ele, mas nunca obtivera resposta. Agora, já crescida e temerosa do pai, ela está de casamento marcado com um misterioso conde, e certamente não terá mais a chance de encontrar Lenda e sua trupe, mas isso não a impede de escrever uma carta de despedida a ele. Dessa vez o convite para participar do Caraval finalmente chega à Scarlett. No entanto, aceitá-los está fora de cogitação, Scarlett não pretende desobedecer ao pai. Sendo assim, Donattela, com a ajuda de um misterioso marinheiro, sequestra e leva Scarlett para o espetáculo. Mas, assim que chegam, Donattela desaparece, e Scarlett precisa encontrá-la o mais rápido possível. O Caraval é um jogo elaborado, que precisa de toda a astúcia dos participantes. Será que Scarlett saberá jogar? Ela tem apenas cinco dias para encontrar sua irmã e vencer esta jornada.

[Crônicas de Domingo] Sonhos de dormir - Mariane Helena






Vivemos dias em que não sabemos se é mais difícil dormir ou acordar.

São tantos problemas... Tantos ais que carregamos; que às vezes pensamos que fuga para o sono eterno é solução. Mesmo buscando dormir incessantemente, já desistimos de sonhar!

É como se não fosse permitido, em meio a tantos terremotos, idealizar algo melhor... Alguma chance de alçar voo; é como se houvesse um decreto que instituísse que ter expectativas é tolice, pois o fim já é certo!

Mas o que diria a criança que fomos um dia, se nos encontrasse hoje? Ela ficaria orgulhosa ou perplexa? Surpresa (no bom sentido) ou decepcionada?

A verdade é que a maioria de nós nem ao menos teríamos a possibilidade desse encontro, pois, junto com seus sonhos, a criança que existia desapareceu!

De fato não existe nenhuma receita mágica. Para se sonhar, basta querer sonhar. Simples assim! Mas nossa desgastada rotina nos projeta empecilhos na hora de subirmos nas asas da imaginação. Mas precisamos tentar!

Portanto, preocupações, remorsos, culpas, medos... Deixe essas bagagens aqui! Para atravessar esse portal além da linha do tempo e do espaço é preciso estar leve. Acolha tudo o que faz de você, o que você é hoje. Pegue mais leve com você... Se culpe menos!

Entenda, não existe mérito ou demérito na hora de sonhar, apenas existe a oportunidade de ter a coragem suficiente para ir além do que a sua realidade hoje lhe permite, ter mais do que se tem hoje, dar mais do que se dá hoje.

Não mate teu sonho por nada! Por mais que imagine não ter condições de concluí-lo; mesmo que o acúmulo de frustrações te diga não, encontre (invente) algo que te motive acordar todos os dias. Algo que diariamente você vá dormir com ele! Seja um livro, um plano de viagem, um catálogo de roupas que gostaria de ter, seus estudos... Sim! Leve-os para cama! Mesmo que você não tenha todo o tempo e/ou disposição para despertar seus sonhos e os efetivar instantaneamente, insista! Agarre-se ao que te dá razão para viver e não se culpe se ao final do dia você apenas adormeceu com seus sonhos de dormir.


 Mariane Helena



Cine Livreando: Forrest Gump - O contador de histórias

Título Original: Forrest Gump Direção: Robert Zemeckis Duração: 02h20 min Ano Lançamento: 7 de dezembro de 1994 Estrelando: Tom Hanks, Gary SInise e Robin Wright Gênero: Comédia dramática e romance Origem: Estados Unidos 

Quarenta anos da história dos Estados Unidos, vistos pelos olhos de Forrest Gump (Tom Hanks), um rapaz com QI abaixo da média e boas intenções. Por obra do acaso, ele consegue participar de momentos cruciais, como a Guerra do Vietnã e Watergate, mas continua pensando no seu amor de infância, Jenny Curran. 

[Literatura, sua linda!] Cassiano Ricardo

Cassiano - Injustamente esquecido


O Relógio

"Diante de coisa tão doida
Conservemo-nos serenos

Cada minuto da vida
Nunca é mais, é sempre menos

Ser é apenas uma face
Do não ser, e não do ser

Desde o instante em que se nasce
Já se começa a morrer."

Cassiano Ricardo

[Crônicas de Domingo] Renovando... - Mariane Helena


Novamente amanheceu! E junto com o novo dia, chega à sua porta uma nova oportunidade. Não importa quantas vezes caiu, o importante é que se levante novamente! Vista o seu melhor sorriso, e recomece.

Troque novamente. Mude, de novo. Experimente outra vez. Talvez mais uma vez dê errado, talvez encontre novos caminhos, você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas. Mas não é isso o que importa.

[Cônicas de domingo]Um novo passo - Mariane Helena


Vivemos a “época do desapego”. Vivemos a cultura de desapegarmos de roupas que não usamos mais, móveis, bens materiais... Mas continuamos apegados a uma mágoa, uma vergonha, um erro... Ao passado!

E como desapegar de algo que nós somos? Sim! O passado é a definição do que somos hoje. O que aconteceu e foi doloroso tem muito a ver com o que nos tornamos.

Mesmo assim não é necessário reprisarmos diariamente ou passar o resto dos nossos dias sofrendo e vivendo no que passou por pior, ou melhor, que seja. A melhor forma de desapegar-se do passado é aceitando que ele realmente aconteceu. É necessário aceitação do pretérito antes de se afastar dele.